Schinopsis brasiliensis Engl.

Braúna, baraúna, aroeira

Árvore espinhosa, caducifólia, heliófila, monoica, resinífera, com até 20 m de altura e 50 cm de DAP; estruturas vegetativas e flores com odor, leve ou forte, de resina. Ritidoma cinzento a pardacento irregularmente dividido e descamante; casca interna amarelada a róseo-avermelhada. Madeira muito dura, castanha ou marrom. Râmulos roliços, cinzentos, com espinhos nas axilas de uma parte das folhas. Folhas alternas, imparipinadas; raque glabra ou ligeiramente pubescente, de 10-18 cm de comprimento; folíolos em número de 11-21, com 2-4 x 1-2,5 cm, opostos, (sub)sésseis,  glabros na face adaxial e pilosos a glabrescentes na abaxial. Inflorescências paniculadas, glabras ou pilosas, com 10-15 cm de comprimento. Flores amarelo-claras a brancacentas, diclamídeas, pentâmeras, actinomorfas, masculinas e hermafroditas, com 3-4 mm de comprimento. Frutos assimétricos, monospermos, alados no ápice, de 2,5-3 cm de comprimento, com epicarpo membranáceo, quebradiço, mesocarpo esponjoso e endocarpo negro e rijo. Sementes obovoides a reniformes, rugosas, amareladas, com ± 14 x 8 mm.

Ocorre no Paraguai, Bolívia e Brasil, nas unidades federativas das regiões Centro-Oeste e Nordeste e em Minas Gerais e Tocantins.  Predomina nas disjunções de florestas estacionais caducifólias do Cerrado, geralmente associadas a solos férteis relacionadas a ocorrências de calcário.

Apresenta-se sem folhas no período de julho a setembro. Floresce em maio, junho e entre outubro e dezembro, às vezes em anos alternados.  Frutos maduros são mais encontrados entre agosto e novembro. As flores são frequentadas por himenópteros, com destaque para abelhas, que são as responsáveis pela polinização. Os frutos são dispersos pelo vento, a curta distância.

Fornece madeira dura, pesada e de grande resistência a agentes decompositores, sendo ideal para construção de casas, currais, cercas, pontes e linhas de transmissão de energia, bem como para confecção de móveis, peças decorativas, coxos. A casca contém altos teores e uma série de substâncias com propriedades consideradas cicatrizantes, anti-inflamatórias e anti-diarreicas . Os frutos verdoengos  entram na dieta de psitacídeos, as flores fornecem pólen e néctar aos seus visitantes, o tronco e os galhos exsudam uma goma que é consumida por pequenos primatas. A espécie pode ser utilizada em arborização urbana e rural, recomposição de áreas desmatadas e plantios destinados à produção de madeira dura, versátil e de alto valor comercial.

É propagada por meio de sementes, que são postas para germinar dentro do endocarpo (‘caroço’), após a remoção do epicarpo e do mesocarpo. Como em condições normais o endocarpo é pouco impermeável à água, as sementes demoram para germinar, germinam de forma errática e apresentam baixos índices de germinação. A técnica mais adotada para contornar essas dificuldades em condições de viveiro tem consistido em romper os endocarpos com lixa ou um objeto cortante, ou em fervê-los inteiros em água por 1-2 minutos, semeando-os em seguida em areia úmida ou em substrato organo-arenoso. Com esses procedimentos as sementes germinam num prazo de 20-40 dias e atinge taxas de germinação ao redor de 60%. O desenvolvimento das plântulas em viveiro tem sido reportado como lento a moderado.

Os desmatamentos praticados nas áreas de ocorrência de S. brasiliensis e a extração da sua madeira para fins comerciais dizimaram as principais as populações dessa espécie.  Atualmente o seu corte em vegetação primária somente é permitido mediante Plano de Manejo de Rendimento Sustentado aprovado pelo IBAMA, conforme a Portaria 83-N∕91 desse órgão.

Árvore com frutos maduros, em floresta caducifólia degradada. Nova Roma (GO), 26-08-2001. Foto extraída de IBGE (2002)

Folhas e inflorescências. Mambaí (GO), 28-05-2017

Superfície do ritidoma e cor da casca interna. Iaciara (GO), 01-10-2008

Frutos maduros. Mambaí (GO), 28-09-2017

LITERATURA
CARVALHO, P.E.R. 2009. Braúna do sertão. Colombo (PR): Embrapa Florestas, 9 p. (Comunicado Técnico, 222).
MAIA, G.N. 2004. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura & Arte, 413 p.
MEYER, T. & BARKLEY, F.A. 1973. Revisión del género Schinopsis (Anacardiaceae). Lilloa, v.32, n.11., p.207-257.
OLIVEIRA. M.C.P. & OLIVEIRA, G.J. 2008. Superação da dormência de sementes de Schinopsis brasiliensis. Ciência Rural, v.38, n.1, p.251-254.
OLIVEIRA, M. et al. 2014. Germinação de sementes de espécies arbóreas nativas da Caatinga em diferentes temperaturas. Scientia Plena, v.10, n.4, p.1-6.
POTT, A. & POTT, V.J. 1994. Plantas do Pantanal. Corumbá (MS): EMBRAPA-CPAP; Brasília: EMBRAPA-SPI, 320 p.
PRADO, M.C.G. et al. 1996. Aspectos morfo-estruturais da unidade de dispersão de Schinopsis brasiliensis Engl. “Baraúna” (Anacardiaceae). Boletim da Sociedade Broteriana, série 2, v.67, p.187-197.
SALOMÃO, A.N. et al. 2001. Métodos para superar a dormência em brauna (Schinopsis brasiliensis). Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 4 p. (Circular Técnica, n. 12).
SOUZA, O.N. 1990. Chemical constituents of the leaves of Schinopsis brasiliensis Engl. Tese (Doctor of Philosophy) – Politechinic of North, London, 207 f.

 

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com