Schinus terebintifolius Raddi

Aroeirinha, aroeira-vermelha, aroeira-pimenteira

Árvore inerme, perenifólia, heliófila, funcionalmente dioica, resinífera, até 8 m de altura e 25 cm de DAP; entrecasca, folhas e frutos com odor de terebentina. Ritidoma cinzento ou pardacento, muito dividido e descamante; casca interna rosada a avermelhada. Madeira dura, marrom ou castanha. Folhas alternas, glabras, imparipinadas, com raque alada e  5-11 folíolos, sésseis, ovados a elípticos, com 2,5-5 x 2-3 cm. Inflorescências paniculadas, glabras, com 5-12 cm de comprimento.  Flores pequenas, branco-amareladas, diclamídeas, pentâmeras, masculinas e femininas na mesma inflorescência. Frutos globosos, com 4-5 mm de diâmetro, monospermos, com epicarpo róseo ou vermelho, quebradiço. Sementes assimétricas a reniformes, marrom-claras, com ±-3 mm de comprimento.

Predomina na parte da faixa costeira brasileira compreendida entre os estados do Ceará e do Rio Grande do Sul, mas se estende ao interior de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais, aparecendo nos remanescentes florestais ainda existentes no contato do Cerrado com a Mata Atlântica.  É encontrada em vários outros estados brasileiro e até mesmo de outros países, introduzida pelo homem como planta ornamental,medicinal e fonte de condimento.

O período de floração na maioria das populações vai de agosto a março , com parte dos indivíduos florescendo mais de uma vez no ano. O período de maturação dos  frutos normalmente se estende de março a outubro. As flores são polinizadas por abelhas e, secundariamente, por vespas e moscas. As sementes são dispersas por aves, sendo as saíras  as mais vistas nas árvores com frutos maduros.

Fornece madeira com boas propriedades físico-mecânicas, mas devido à tortuosidade e ao pequeno comprimento dos troncos, é utilizada basicamente em construção de cercas, confecção de peças decorativas e como lenha e matéria-prima para produção de carvão. As flores são fonte de néctar e pólen para abelhas melíferas, e os frutos entram na dieta de diversas espécies de aves silvestres. Os frutos com as sementes são usados como condimento na culinária brasileira e estrangeira. A entrecasca, as folhas e os frutos são utilizados na fitoterapia popular contra uma série de doenças e possuem potencial para uso em produção de remédios e cosméticos, como demonstrado nos trabalhos de Carvalho et al. (2013), Gilbert & Favoreto (2011) e Gomes et al (2013), abaixo referenciados. A espécie é indicada para arborização urbana e rural; recomposição de áreas desmatadas; estabilização de taludes, encostas e  vocorocas; e formação de coleções de plantas medicinais e condimentares.

S. terebinthifolius pode ser multiplicada por sementes e por estaquia. As sementes são extraídas esmagando-se os frutos em uma peneira de malha fina, a fim de remover a casca, e depois lavando-as  em água corrente, para eliminar substâncias que podem interferir na germinação. Após 2-3 dias de secagem à sombra, elas podem ser postas para germinar em canteiros contendo substrato argilo-arenoso, para posterior repicagem das plântulas, ou em saquinhos de polipropileno ou tubetes de tamanho médio. As plântulas geralmente crescem rápido e aos 4-5 meses de idade já pode ser plantadas no campo. Na multiplicação por estaquia usa-se seções de ramos finos ou de raízes geminíferas com 20-30 cm de comprimento, mas como a formação de mudas por sementes é considerada mais fácil esse método é pouco utilizado.

Superfície do ritidoma de um tronco bifurcado

Inflorescências

Frutos maduros

LITERATURA:

CARVALHO, M.G. et al. Schinus terebinthifolius Raddi: chemical composition, biological properties and toxicity. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.15, n.1, p.158-169, 2013.

CARVALHO, P.E.R. Espécie arbóreas brasileiras. Brasília : Embrapa Difusão Tecnológica; Colombo (PR) :  Embrapa Florestas, 2003, v.1.

GILBERT, B. & FAVORETO, R. Schinus terebinthifolius Raddi. Revista Fitos, v.6, n.1, p.43-51, 2011.

GOMES, L.J. et al. Pensando a biodiversidade: aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi). São Cristóvão (SE): Editora UFS, 2013. 

LENZI, M. & ORTH, A.I. Fenologia reprodutiva, morfologia e biologia floral de Schinus terebinthifolius Raddi. (Anacardiaceae), em restinga da Ilha de Santa Catarina, Brasil. Biotemas, v. 17, n. 2, p. 67-89, 2004.

LORENZI, H. & MATOS, F.J.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008.

NEVES, E.J.M. et al. Cultivo da aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolius Raddi) para produção de pimenta-rosa.  Colombo (PR) : Embrapa Florestas, 2016.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com