Xylopia emarginata Mart.

Pindaíba, pindaíba-do-brejo, pimenta-de-macaco, embira

Árvore inerme, perenifólia, heliófila, dioica, emergente, de até 25 m de altura e 30 cm de DAP. Tronco reto, cônico, com ramificação tipicamente monopodial, ascendente, e frequentemente com pequenas sapopemas e raízes adventícias próximo à base. Folhas, casca e frutos com odor característico, derivado de óleos voláteis. Ritidoma cinzento, pardacento ou acastanhado, íntegro ou superficialmente dividido e descamante; casca interna amarela, muito fibrosa.  Madeira marrom, leve. Folhas simples, alternas, oblongas ou elípticas, com ápice emarginado e 2,5-4 x 1,5-2 cm. Flores isoladas ou em fascículos paucifloros, diclamídeas, perfumadas, com pétalas amarelas, dispostas em dois verticilos trímeros. Frutos formados por um ou vários carpídios polispermos, deiscentes, com a parte interna vermelha e com 1,5-3 x 1-2 cm quando maduros. Sementes obovoides a elipsoides, escuras, duras, com 5-7 mm de comprimento, com arilo na base e sarcotesta branca revestindo o tegumento.

Distribui-se da Venezuela até Minas Gerais e São Paulo, passando por todas as unidades federativas das regiões Norte e Centro-Oeste e chegando a alguns estados da região Nordeste. Ocorre em toda a área de domínio do Cerrado, exclusivamente em florestas associadas a terrenos encharcados, onde muitas vezes forma agrupamentos bastante expressivos, denominados pindaibal.

Floresce a cada dois ou três anos, entre novembro e janeiro, e apresenta frutos maduros entre junho e agosto. As flores são protogínicas e polinizadas por tripes e besouros. As sementes são dispersas por pássaros.

A madeira foi muito utilizada em construção de habitações rústicas e de cercados, como escora em construção edifícios e em confecção de cabos de ferramentas, caixotes, formas para calçados, plataformas de tamanco e cepas para escovão. A entrecasca foi usada como amarrilho. Os frutos maduros são apreciados por primatas e eventualmente são usados pelo homem como sucedâneo da pimenta-do-reino. As sementes são consumidas por várias espécies de aves.  As folhas e os frutos possuem alcaloides, flavonoides e terpenos com propriedades medicinais e biocidas. A espécie é apropriada para recomposição de áreas desmatadas em terrenos encharcados e arborização de margens de lagos.

As sementes de X. emarginata possuem dormência morfofisiológica (causada por imaturidade do embrião e presença de substâncias inibidoras de germinação) e por isso demoram para germinar e apresentam baixas taxas de germinação. Alguns estudiosos testaram métodos para superar essa dormência, sem chegar a resultados expressivos. É provável que o método adotado por Socolowski & Cícero (2003) para acelerar e aumentar  a germinabilidade das sementes de X. aromatica, também abordada neste blog, possa ser a solução para a superação da dormência das suas sementes. As plântulas da pindaíba-do-brejo têm sido referidas como de crescimento lento e os indivíduos juvenis como de crescimento moderado quando plantados no habitat preferencial da espécie.

 X. emarginata apresenta ampla dispersão no Cerrado, possui populações em muitas unidades de conservação de proteção integral nesse bioma e é exclusiva de áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas).

Árvores no habitat natural. Campo Florido (MG), 12-06-2016

Tronco com raízes adventícias próximo à base. Uberlândia (MG), 05-06-2016

Superfície do ritidoma e cor da casca interna. Coromandel (MG), 12-04-2014

Flores femininas, botões florais e folhas. Coromandel (MG), 07-01-2014

Frutos com carpídios imaturos. Uberlândia (MG), 19-06-2016

LITERATURA
CASTELLANI, E. D. et al. 2001. Caracterização morfológica de frutos e sementes de espécies arbóreas do gênero Xylopia (Annonaceae). Revista Brasileira de Sementes, v.23, n.1, p.205-211.
DIAS, M.C. 1988. Estudos taxonômicos do gênero Xylopia L. (Annonaceae) no Brasil extra-amazônico. Dissertação (mestrado), Universidade Estadual de Campinas, 183 f.
LAGO, J.H.G. et al. 2005. Composition of the leaf oil of Xylopia emarginata Mart. (Annonaceae). Journal of Essencial Oil Research, v.17, n.6, p.622-623.
LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, 352 p.
LOUREIRO, A.A. et al. 1979. Essências madeireiras da Amazônia. Manaus: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Superintendência da Zona Franca de Manaus, v.2, 187 p.
MAAS, P.J.M. et al. 2001. Annonaceae from Central-eastern Brazil. Rodriguésia, v.52, n.80, p.65-98.
MOREIRA, I.C. et al. 2003. Alkaloid, flavonoids and terpenoids from leaves and fruits of  Xylopia emarginata (Annonaceae).  Biochemical Systematics and Ecology, v.31, n.5, p.535-537.
MOREIRA, I.C. et al. 2006.  Diterpene adducts from branches of Xylopia emarginata. Biochemical Systematics and Ecology, v.34, n.11, p.833-837.
MOREIRA, I.C. et al. 2007. Sesquiterpenos e hidrocarbonetos dos frutos de Xylopia emarginata. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.17, n.1, p. 55-58.
ROQUE. N.F et al. 2003. Alkaloid, flavonoids and terpenoids from leaves and fruits of Xylopia emarginata (Annonaceae). Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14269, acessado em: 23-12-2017.
WEBBER, A.C. & GOTTSBERGER, G. 1999. Phenological patterns of six Xylopia (Annonaceae) species in Central Amazonia. Phyton, v.39, n.2, p.293-301.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com