Curatella americana L.

Lixeira, sambaíba, pau-de-lixa, caimbé

Árvore inerme, caducifólia, heliófila, monoica, com até 10 m de altura e 30 cm de DAP. Tronco na maioria das vezes tortuoso e curto. Casca espessa; ritidoma suberoso, cinzento na superfície, muito dividido e tipicamente descamante; casca viva rosada a amarelada. Madeira moderadamente pesada; cerne amarronzado ou amarelado-pardacento, com fibras visivelmente reversas. Râmulos tortuosos, com ritidoma esfoliante. Folhas simples, alternas, curto-pecioladas, pilosas, onduladas, de margem denteada ou ondulada, variando de ovadas a obovadas, de 8-25 x 4-13 cm; ricas em corpos silocosos e por isto muito ásperas e rijas quando adultas. Inflorescência paniculiforme, pilosa, terminal ou axilar, de até 15 cm de comprimento. Flores diclamídeas, actinomorfas, andróginas, perfumadas, de 5-7 mm de comprimento; calice com 4-5 sépalas imbricadas, em duas séries; corola com 4-5 pétalas brancas ou amareladas. Fruto seco, globoso, apiculado, deiscente, de superfície amarelada, áspera, face interna vermelha, com 2-4 sementes e 8-12 mm de diâmetro. Sementes obovadas a elípticas, escuras, de 3-5 mm de comprimento, revestidas por arilo branco, adocicado.

É considerada um dos elementos florísticos mais típicos e dispersos das savanas (cerrados) neotropicais, ocorrendo no sul do México, em algumas partes da América Central, na Venezuela, Guiana, Suriname e Bolívia. No Brasil se faz presente nas disjunções de cerrados dos biomas Amazônia e Caatinga, na unidades federativas da região Centro-Oeste e nos estados do Tocantins, Maranhão, Piauí, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Ocorre em todas as partes do Cerrado, em solos argilosos, arenosos e pedregosos, podendo ser considerada adaptável a uma ampla diversidade de substratos.

C. americana perde as folhas ao longo da estação seca; floresce entre julho e outubro, com folhas novas e folhas senescentes tardias; e apresenta frutos maduros entre outubro e janeiro. As flores são frequentada por insetos, com destaque para himenópteros e coleópteros. As sementes são dispersas por aves.

A madeira de C. americana serve para obras de acabamento interno em residências, mas é mais usada em  construção de cercas e em confecção de objetos torneados, móveis simples, utensílios domésticos e pilões para socar grãos. A casca, por ser rica em tanino, é utilizada no curtimento artesanal de couro , como cicatrizante de feridas e contra aftas, úlceras gástricas e desordens intestinais. As folhas servem para arear utensílios domésticos e para polir madeiras e metais. As flores são considerem uma importante fonte de néctar e pólen para abelhas. As sementes são apanhadas por aves que se alimentam de arilo. A espécie possui particularidades que a torna recomendável para arborização urbana e para recomposição de áreas desmatadas em cerrados. Além disso, tem sido considerada uma boa bioindicadora de ocorrência de depósitos de ouro.

Para formar mudas dessa espécie, o procedimento recomendado tem sido o seguinte: 1) retirar sementes de frutos recém-abertos; 2) lavar as sementes, após mantê-las em água por 12-24 horas, para facilitar a remoção do arilo; 3) realizar a semeadura em sementeira ou tubetes contendo terra argilo-arenosa misturada com esterco de curral curtido, na proporção de 1:1; 4) manter a sementeira ou os tubetes  a pleno sol ou sob leve sombreamento; e 5) transplantar as plântulas da sementeira logo após a sua emergência. O transplantio deve ser para recipientes de no mínimo 25 cm de profundidade, porque a parte aérea das plântulas crescem devagar, mas o sistema radicular cresce rápido.

C. americana ocorre em áreas preferenciais para atividades agropastoris, mas ocorre também em áreas rejeitadas para essas finalidade, distribui-se por quase toda a área de abrangência do Cerrado e está presente em várias unidades de conservação de proteção integral nesse bioma.

 

Árvore no final da floração e com folhas senescentes e novas, em cerrado denso convertido em pastagem. Buritis (MG), 01-10-2017

Superfície do ritidoma e cor da casca interna. Paracatu (MG), 24-08-2017

Inflorescências. Douradoquara (MG), 13-07-2013

Infrutescência com frutos maduros, expondo as sementes. Formosa (GO), 17-11-2017

 

LITERATURA
ALMEIDA, S.P. de et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 464 p.
ARAÚJO, P.A.M. & MATTOS FILHO, A. 1977. Estrutura das madeiras brasileiras de angiospermas dicotiledôneas (XVIII). Dilleniaceae (Curatella americana L.) Rodriguésia, v.29, n.42, p.233-245.
BRIDGEWATER, S. et al. 2004. Biogeographic patterns, diversity and dominance in the cerrado biome of Brazil. Biodiversity and Conservation, v.13, p.2295-2318.
Dilleniaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB7336>. Acesso em: 05 Mai. 2018.
FOLDATS, E. & RUTKIS, E. 1975. Ecological studies of chaparro (Curatella americana L.) and manteco (Byrsonima crassifolia H.B.K.) in Venezuela. Journal of Biogeography,v.2, p.159-178.
HENRIQUES, S.V. & ALMEIDA, S.S.M.S. 2013. Identificação do caráter medicinal da espécie Curatella americana por meio das folhas.. Estação Científica UNIFAP, v. 3, n. 2, p. 89-97.
HIRUMA-LIMA, C.A. et al. 2009.The antiulcerogenic effects of Curatella americana L. Journal of Ethnopharmacology, v.121, p.425-432.
IBGE. 2002. Árvores do Brasil Central: espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, 417 p.
KUBITZKI, K. 2004. Dilleniaceae. In: SMITH, N. Flouring plants of neotropics. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, p. 128-130.
LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, v. 1, 1a edição. 352 p.
PEREIRA, I.M. 2007. Taxonomia e ecologia da família Dilleniaceae Salisb. nos estados de Goiás e Tocantins. Revista de Biologia Neotropical, v.3, n.2, p.183-184.
PRANCE, G.T. 1996. Islands in Amazonia. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, v.351,p.823-833.
RESENDE, R.O. et al. 2012. Espécie Curatella americana L como bio-indicador de ouro. Revista Eletrônica de Biologia, v.5, n.3, p.92-104.
ZIMMER, K.J. et al. 2001. A cryptic new species of flycatcher (Tyrannidae: Suiriri) from the Cerrado region of central South America. The Auk , v.118, n.1, p.56-78.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com