Pterogyne nitens Tul.

Amendoim, amendoim-bravo, madeira-nova

Árvore inerme, subcaducifólia, heliófila, monoica, com até 15 m de altura e 35 cm de DAP. Casca moderadamente espessa; ritidoma muito dividido, cinzento na superfície; casca interna avermelhada. Madeira pesada, com cerne amarronzado, uniforme. Folhas alternas, glabras, imparipinadas, com 13-21 folíolos; pecíolo e raque totalizando 10-25 cm de comprimento; folíolos lustrosos, alternos, curto-peciolulados, ovados a elípticos, emarginados, de 2-3,5 x 4-6 cm. Inflorescências glabras, de 4-8 cm de comprimento, agrupadas em fascículos de 2 ou 3 na axila das folhas subterminais. Flores amareladas, diclamídeas, pentâmeras, actinomorfas, andróginas, perfumadas, de ± 5 x 4 mm. Frutos secos, compressos, alados, indeiscentes, monospermos, de 3,5-5 x 1,5-2,5 cm, com núcleo seminífero basal, lenhoso, e de cor paleácea ou marrom na maturação. Sementes amareladas a marrom-claras, achatadas, elípticas ou ovaladas, duras, de ± 1,5 x 1 cm.

Tem ocorrência confirmada para os estados das regiões Sul e Sudeste do Brasil, para a maioria dos estados da região Nordeste e para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Habita formações florestais perenifólias e subcaducifólias em solos de média a alta fertilidade. Sua presença no Cerrado é mais notada no centro e norte do estado de São Paulo, em algumas partes do oeste de Minas Gerais e no vale do rio São Francisco, no contato deste bioma com a Caatinga. É também muito notada na área urbana de Brasília, onde foi introduzida há mais de 40 anos como árvore de sombra e embelezamento.

Perde parte das folhas na estação seca. Floresce entre novembro e fevereiro e apresenta frutos maduros entre maio e agosto. As flores são frequentadas por abelhas de pequeno e médio porte, que aparentemente são os seus polinizadores. As sementes são dispersas pelo vento, nos frutos, normalmente a curtas distâncias.

A madeira de P. nitens é apropriada para obras internas e externas e para confecção de móveis, laminados, tábuas para assoalho e carrocerias, tacos e tonéis, entre outros artefatos. As flores oferecem néctar e pólen aos seus visitantes. A espécie  reúne atributos que a tornam altamente elegível para recomposição de áreas desmatadas; reflorestamentos para produção de madeira versátil e alto valor comercial; e arborização urbana. Esses atributos são: produção de grande quantidade de sementes com alto poder germinativo; rápido desenvolvimento das plântulas e dos indivíduos juvenis;  indivíduos adultos com copa larga e densa, quando em áreas abertas; e oferta de recursos alimentares para a entomofauna.

Esta fabácea é propagada por sementes. Estas devem ser provenientes de frutos  que ainda estão presos aos ramos e que estão com a coloração original: paleácea ou marrom. As sementes podem ser postas para germinar em recipientes de  25 x 15 cm ou em sementeiras, cotendo substrato rico em matéria orgânica. A rapidez e as taxas de germinação são mais elevadas quando as sementes são retiradas do núcleo seminífero ou este é cortado em um dos lados. Para o plantio deve-se utilizar mudas com no mínimo 20 cm de altura e preferir áreas ensolaradas que possuam solos argilo-arenosos e profundos.

P. nitens tem distribuição disjunta e relativamente restrita no Cerrado, predomina em áreas favoráveis para atividades agropastoris, é objeto de corte para uso da madeira e aparentemente está pouco representada em unidades de conservação de proteção integral nesse bioma.

Árvore em floresta estacional subcaducifólia convertida em pastagem. Pradópolis (SP), 03-03-2018

Superfície do ritidoma. Pradópolis (SP), 03-03-2018

Frutos. Nova Granada (SP), 07-10-2018

LITERATURA
BIRUEL, R. P. et al. 2007. 2007. Efeitos do condicionamento seguido ou não de secagem em sementes de Pterogyne nitens Tul. sob estresse. Ciência Florestal, v. 17, n. 2, p. 119-128.
BOMFIM, A. A. et al. 2009. Avaliação morfológica de mudas de madeira-nova (Pterogyne nitens Tul.) produzidas em tubetes e sacos plásticos e de seu desempenho no campo. Floresta, v.39, n.1, p.33-40.
CARVALHO, D.A.S. et al. Pterogyne in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB28161>. Acesso em: 07 Mar. 2018
CARVALHO, P.E.R. 1994. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombro (PR): EMBRAPA-CNPF; Brasília: SPI, 640 p.
CNCFlora. Pterogyne nitens in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Pterogyne nitens>. Acesso em 6 março 2018.
LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, 368 p. 
NASCIMENTO, W.M.O. et al. 2006. Qualidade sanitária e germinação de sementes de Pterogyne nitens Tull. (Leguminosae – Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Sementes, v.28, n.1, p.149-153.
QUEIROZ, L.P. 2009. Leguminosas da Caatinga. Feira de Santana (BA): Universidade Estadual de Feira de Santana, 443 p.
SILVA, L.M.M. et al. 1995. Morfologia de frutos, sementes, e plântulas de Luetzelburgia auriculata Ducke (pau-serrote) e Pterogyne nitens Tul. (madeira-nova-do-brejo) – Leguminosae. Revista Brasileira de Sementes, v.17, p.154- 159.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com