Neea theifera Oerst.

Capa-rosa, capa-rosa-do-campo

Árvore inerme, subcaducifólia, heliófila, dioicia, de até 4 m de altura e 15 cm de diâmetro a 30 cm da superfície do solo; em grande parte das vezes com porte arbustivo. Casca moderadamente espessa; ritidoma cinzento, fissurado, com sulcos estreitos e descamante; casca interna amarelada, passando a ferrugínea e depois a avermelhada após o corte. Râmulos roliços, glabros; suculentos e verde-azulados quando jovens; suberosos e cinzentos quando adultos. Folhas simples, opostas a sub-opostas, geralmente sésseis, (sub)coriáceas, glabras, verde-azuladas e pruinosas, principalmente quando jovens; lâmina ovada, elíptica ou obovada, assimétrica, de base cordada a arredondada, ápice arredondado, obtuso ou emarginado, de margem inteira, com 4-13 x 2,5-7,5 cm.  Inflorescências paniculiformes, terminais ou axilares, glabras, de até 8 cm de comprimento, formadas por  cimeiras opostas a sub-opostas. Flores monoclamídeas, pentâmeras, gamossépalas, actinomorfas, sésseis, unissexuais, glabras, com bráctea e bractéolas na base; flores masculinas (sub)globosas, urceoladas ou elipsoides, verde-amareladas a rosadas, de 4-8 x 2-4 mm, com 7-9 estames e um pistilódio; flores femininas obovoides a cilíndricas, verde-rosadas, de 3,5-5 x 2-3 mm, com ápice avermelhado, contraído, ovário súpero, uniovulado e 5-8 estaminódios. Frutos do tipo antocarpo, elipsoides, raramente subglobosos, de 7-16 x 4-7 mm, com ápice contraído, dotado de uma cúpula hemisférica formada por lobos do cálice, lisos, carnosos, monospermos, róseos a vináceo-escuros quando maduros. Semente elipsoide, com mais ou menos a metade do tamanho do fruto.

Ocorre no leste da Bolívia e no Brasil, com registros nas unidades federativas da região Centro-Oeste e nos estados de Rondônia, Tocantins, Maranhão, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. É encontrada em campos sujos e em cerrados de todas as densidades, associados a uma ampla diversidade de solos.

Floresce, na maioria das localidades, entre setembro e novembro, e apresenta frutos maduros de maio a julho. As flores são frequentadas por moscas, tripes e abelhas silvestres, com estas últimas sendo consideradas os seus mais prováveis polinizadores. As sementes são dispersas por aves frugívoras.

A madeira é eventualmente utilizada para fazer pequenas esculturas. As folhas, quando esmagadas e mantidas em água, dão origem a uma tintura preta que foi amplamente usada pelas tecedeiras de tecidos das comunidades tradicionais do Cerrado. O decocto das folhas e da casca do tronco é usado na fitoterapia popular, contra úlceras gástricas, disenteria e hemorragia intestinal; o chá das folhas também é usado com essas finalidades. Um estudo das folhas realizado por Rinaldo et al. (2007), levou ao isolamento dos compostos denominados vitexina, isovitexina, isoorientina, orientina, vicenina-2, crisoeriol, apigenina e luteolina, alguns dos quais com eficiência comprovada contra várias doenças do ser humano. As flores oferecem néctar aos seus visitantes.

A propagação de N. theifera é feita por meio de sementes, que devem ser provenientes de frutos recé-colhidos e estarem sem resíduos do pericarpo. A semeadura pode ser em sementeiras ou em recipientes individuais contendo uma mistura de terra areno-argilosa com esterco curtido na proporção de 1:1 e mantidos em ambiente levemente sombreado. Ainda não existem informações sobre a germinação das sementes e o desenvolvimento das plântulas dessa espécie.
N. theifera teve inúmeras populações destruídas pelo homem ao longo do tempo, principalmente nos cerrados situados em áreas favoráveis para a prática de atividades agropastoris. Por outro lado, é uma espécie que possui ampla dispersão no Cerrado e que está presente em muitas unidades de conservação de proteção integral nesse bioma.

Superfície do ritidoma. Uberlândia (MG), 15-10-2016

Folhas e inflorescências femininas. Uberlândia (MG), 10-09-2016

Frutos quase maduros. Uberlândia (MG), 05-06-2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LITERATURA
AMORIM, F.W. et al. 2011. Razão sexual e biologia floral de Neea theifera Oerst. (Nyctaginaceae), uma espécie dióica na vegetação de um cerrado rupestre no Brasil Central. Acta Botanica Brasilica, v.25, n.4, p.785-792.
CORREA, M.P. & PENNA, L.A. 1984. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, v.6, 777 p.
COSTA, D.S. et al. Neea in Flora do Brasil 2020 em construção.Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB19909>. Acesso em: 24 Jun. 2019.
DURIGAN, G. et al. 2004. Plantas do cerrado paulista : imagens de uma paisagem ameaçada. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 475 p.
FARIA,  G.M.  1994. A  flora  e  a  fauna  apícola  de  um ecossistema  de  campo  rupestre,  Serra  do  Cipó, MG,    Brasil:    composição,    fenologia    e    suas interações. Tese (doutorado), Universidade Estadual Paulista – Rio Claro.
FURLAN, A. & GIULIETTI, A.M. 2014. A tribo Pisonieae Meisner (Nyctaginaceae) no Brasil. Boletim deBotânica daUniversidade deSao Paulo, v.32, n.2, p.145-268.
FURLAN, A. et al. 2008. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Nyctaginaceae. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, v.26, n.1, p. 51-59.
MIRANDOLA FILHO, A. & MIRANDOLA, N.S.A. 1991. Vegetais tintoriais do Brasil Central. Goiânia: Gráfica Líder, 164 p.
MORS, W.B. et al. 2001. Medicinal plants of Brazill. S.l.: Reference Publications, 501 p.
RINALDO, D. et al. 2007. New flavone from the leaves of Neea theifera (Nyctaginaceae) . Journal of Brazilian Chemical Society, v.18, n. 6, p.1132-1135, 2007.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com