Anacardium occidentale L.

Cajueiro-do-cerrado, caju-do-cerrado, cajuí

Árvore inerme, perenifólia a subcaducifólia, heliófila, andromonóica, até 12 m de altura e 30 cm de DAP. Ritidoma cinzento a pardacento, fissurado e descamante; casca interna avermelhada, com exsudato da mesma cor. Madeira brancacenta, leve a moderadamente pesada. Folhas simples, alterno-espiraladas, curto-pecioladas, obovadas ou elípticas,  glabras, de margem inteira, com 8-16 x 5-12 cm Inflorescências corimbiformes, axilares ou terminais, glabras, largas, com 14-25 cm de comprimento. Flores pediceladas diclamídeas, pentâmeras, actinomorfas, hermafroditas e masculinas na mesma inflorescência, com 8-10 mm de comprimento; corola predominantemente róseo-avermelhada.  Frutos (‘castanhas’)  reniformes, cinzentos,  monospermos, resiníferos, com até 3 x 2 cm, ligados ao ramo florífero pelo hipocarpo ou’ pseudofruto’, órgão vermelho ou amarelo e suculento quando maduro, derivado da intumescimento do pedicelo. Sementes brancacentas, reniformes, com 1,5-2 cm de comprimento. Hipocarpos subglobosos ou piriformes, vermelhos ou amarelos, suculentos,  com ± 2,5 x 3 cm.

Ocorre na maior parte da área de abrangência do Cerrado, sendo mais frequente em Goiás, Tocantins, Maranhão e Piauí. Seus habitats preferenciais são os cerrados e cerradões vinculados a solos de textura grosseira, elevada acidez e baixa fertilidade. É considerada a forma silvestre do cajueiro comum, cultivado em pomares no Brasil e em vários outros países tropicais.

Floresce de fins de julho a meados de setembro.  Apresenta frutos maduros entre setembro e novembro. As flores  são polinizadas por abelhas e vespas. As sementes são dispersas por morcegos, primatas e aves de grande porte que se alimentam dos hipocarpos. A espécie é considerada autógama com alto grau de alogamia.

Fornece madeira utilizável em construções provisórias no meio rual e em confecção de móveis simples e de utensílios domésticos. Os  hipocarpos são consumidos pelo homem, in natura e na forma de suco, doce e licor; e por animais arborícolas e terrestres. As sementes também são consumidas pelo homem, após serem torradas com cuidado, devido à existência de um óleo-resina cáustico e tóxico no pericarpo do fruto. As flores são fonte de néctar e pólen para abelhas e outros himenópteros. As folhas são usadas na fitoterapia popular, como antidiabético, anti-inflamatório e cicatrizante. O tronco e os galhos mais grossos costumam ser perfurados por primatas que se alimentam das bolotas de goma que se formam após a exsudação da seiva. A especie é indicada para formação de pomares de fruteiras nativas, implantação de sistemas agroflorestais e recomposição de áreas alteradas em cerrados alterados, e vem sendo usada como porta-enxerto para as variedades de cajueiro cultivadas comercialmente.

O cajueiro-do-cerrado pode ser propagado por sementes e por meio de enxertia por garfagem, quando se deseja obter indivíduos adultos de pequeno porte. Na propagação por sementes não é necessário remover a casca (pericarpo) do fruto ou castanha. A semeadura pode ser realizada em recipientes ou diretamente no solo. Em condições de viveiro a germinação começa a partir do sexto dia após a semeadura e as plântulas são de crescimento lento e susceptíveis à antracnose, uma doença fúngica que afeta as folhas.

A. occidentale possui ampla dispersão no Cerrado, predomina em terrenos pouco favoráveis para atividades agropastoris e ocorre em unidades  de conservação de proteção integral nesse bioma. Mesmo assim, as suas populações vêm sendo gradativamente reduzidas, devido à expansão e intensificação das atividades humanas.

Árvore florida, em margem de estrada. São Domingos (GO), 24-08-2017

Superfície do ritidoma. São Domingos (GO), 24-08-2017

Inflorescências. São Domingos (GO), 24-08-2017

Frutos maduros. Teresina de Goiás (GO), 22-10-2017

LITERATURA
AGOSTINI-COSTA. T.S. et al. 2010. Frutas nativas da região Centro-Oeste do Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 322 p.
AGOSTINI-COSTA, T.S. et al. 2016. Anacardium spp. Caju-do-cerrado. In: VIEIRA, R.F. et al. (eds.)  Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Centro-Oeste. Brasília: MMA, p.138-149.
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA–CPAC, 1998. 464 p.
BRANDÃO, M.G.L. 2015. Plantas úteis de Minas Gerais e Goiás: na obra dos naturalistas. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, 109 f.
LIMA, A.C. et al. 2004. Obtenção e caracterização dos principais produtos do caju. Boletim CEPPA, v.22, n.1, p.133-144.
MITCHELL D.J. & MORI, S.A. 1987. The cashew and its relatives (Anacardium: Anacardiaceae). Memoirs of the New York Botanical Garden, v.42, n.1, p.1-76.
NAVES, R.V.  1999. Espécies frutíferas nativas dos cerrados de Goiás: caracterização e influências do clima e dos solos. Tese (doutorado), Universidade Federal de Goiás, 206 p.
ORWA, C. ET AL. 2009 Agroforestree Database:a tree reference and selection guide version 4.0: Disponível: <http://www.worldagroforestry.org/sites/treedbs/treedatabases.asp>, acesso em: 30 jul. 2019.
SILVA, D.B. et al. 2001. Frutas do cerrado. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 178 p.
SILVA, M.R. et al. 2008. Caracterização química de frutos nativos do Cerrado. Ciência Rural, v.38, n.6, p.1790-1793.

 

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com