Annona crassiflora Mart.

Articum, araticum, marolo

Árvore inerme, caducifólia, heliófila, monoica, até 8 m de altura e 25 cm de DAP; folhas e casca e frutos verdes com odor característico, derivado de óleos voláteis. Ritidoma cinzento ou pardacento, com sulcos estreitos, regulares; casca interna brancoamarelada a rosada, fibrosa. Madeira a marrom-clara a amarelada, leve. Folhas simples, alternas, pecioladas,  ovadas a elípticas, pilosas,  com 8-14 x 6-10 cm. Flores hermafroditas, diclamídeas, pilosas, subtriangulares, com dois anéis trímeros de pétalas amarelas, carnosas, e 3,5-4cm de comrpimento. Frutos ovados a globosos, com carpídios muitos salientes; amarelados ou ferrugíneos na maturação, medindo 12-18 x 14-20 cm e pesando até 1,8 kg. Sementes obovadas, marrons, duras, com ± 15 x-10 mm, envoltas em uma polpa amarelada, mole, aromática.

Ocorre no Paraguai, na Bolívia e no Brasil, nas unidades federativas da região Centro-Oeste e nos estados do Pará, Tocantins, Piauí, Bahia, Minas Gerais, São Paulo e Paraná. É encontrada em todas as partes do Cerrado, em cerrados e em cerradões.

Apresenta-se desfolhada no auge da estação seca. Floresce de setembro a novembro e apresenta frutos maduros de fevereiro a abril. As flores são protogínicas, de antese noturna e polinizadas por besouros. A dispersão das sementes é feita por animais terrestres que se alimentam dos frutos.

A madeira é utilizada em obras provisórias no meio rural. Os frutos são apreciados por uma significativa parcela da população do Cerrado, que os consome in natura e eventualmente os usam para fazer bolo, suco, geleia, sorvete e licor. Além disso, serve de alimento para diversas espécies da fauna silvestre. As folhas, a casca e as sementes são usadas na medicina popular regional, contra desarranjos intestinais e para induzir a menstruação. A espécie é indicada para recomposição de cerrados alterados e para formação de pomares de fruteiras não convencionais, como que já vem ocorrendo em diversas propriedades rurais no Cerrado.

Pode ser multiplicada por sementes e por via vegetativa, utilizando-se estacas retiradas de ramos, prática ainda pouco adotada. As sementes apresentam dormência e por esta razão demoram para germinar.  Como essa dormência era atribuída à impermeabilidade do tegumento, a recomendação tradicional para superá-la é a de  escarificar as sementes com lixa ou um objeto cortante, para facilitar a entrada de água no embrião. Atualmente, com o percepção de que a dormência em sementes de Anona é causada pela presença de embrião imaturo e de substâncias inibidoras de germinação, a recomendação que está começando a predominar é a de tratá-las com ácido giberélico e depois estratificá-las em areia. Um experimento realizado por Melo (1993) indicou que a dormência das sementes é melhor superada quando escarificadas e imersas em solução de ácido giberélico nas concentrações de 500, 1000 e 2000 mg/L-1 por 72 horas. O crescimento das plântulas e dos indivíduos juvenis é  lento, com estes entrando em produção ao 9-10 anos de vida.

A. crassiflora tem ampla dispersão no Cerrado e ocorre em várias unidades de conservação de proteção integral nesse bioma, mas predomina em áreas preferenciais para atividades agropastoris e os seus frutos são objeto de extrativismo sem controle. O seu cultivo em pomares poderá ajudar na conservação da sua diversidade genética.

Árvore em cerrado convertido em pastagem. Coromandel (MG), 07-02-2014

Superfície do ritidoma. Coromandel (MG), 07-02-2014

Flor e folhas. Coromandel (MG), 11-12-2014

Frutos maduros. Uberlândia (MG), 21-03-2017

LITERATURA
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 464 p.
BRAGA-FILHO, J.R. et al. 2014. Caracterização física e físico-química de frutos de araticum (Annona crassiflora Mart.). Bioscience Journal, v.30, n.1, p.16-24.
COTA, L.G. et al. 2011. Genetic diversity of Annona crassiflora (Annonaceae) in northern
Minas Gerais State. Genetics and Molecular Research, v.10, n.3, p.2172-2180.
DAMIANI, C. et al. 2011. Characterization of fruits from the savanna: Araçá (Psidium guinnensis Sw.) and Marolo (Annona crassiflora Mart.). Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.31, n.3, p.723-729.

EGYDIO, A.P.M.; VALVASSOURA, T.A. & SANTOS, D.Y.A.C. 2013. Geographical variation of isoquinoline alkaloids of Annona crassiflora Mart. from cerrado, Brazil. Biochemical Systematics and Ecology, v.46, p.145–151.

GOTTSBERGER, G. 1989. Beetle pollination and flowering rhythm of Annona spp. (Annonaceae) in Brazil. Plant Systematics and Evolution, n.167, p.165-187.
GOTTSBERGER, G. 1994. As anonáceas do cerrado e a sua polinização. Revista Brasileira de Biologia, n.54, p.391-402.
LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, v.2, 2a ed., 352 p.
LUZIA, D.M.M & JORGE, N. 2013. Bioactive substance contents and antioxidant capacity of the lipid fraction of Annona crassiflora Mart. seeds. Industrial Crops and Products, v.42, p.231– 235.
MAAS, P.J.M. et al. 2001. Annonnaceae from Central-eastern Brazil. Rodriguésia v.52, n.80, p.65-98.
MELO, J.T. 1993. Efeito do ácido giberélico-Ga3 sobre a germinação de sementes de araticum (Annona crassiflora Mart.). In: Anais do I Congresso Florestal Panamericano e do VII Congresso Florestal Brasileiro,  Curitiba: Sociedade Brasileira de Silvicultura e Sociedade Brasileira de Engenheiros Florestais, v.2, 760 p.
MELO, J.T. & AGOSTINI-COSTA, T.S. 2016. Annona crassiflora. Araticum. In: VIEIRA, R.F. (eds.).  Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Centro-Oeste. Brasília: MMA, p.150-161.
MELO, J.T.; SALVIANO, A. & SILVA, J.A. 2000. Produção de mudas e plantio de araticum. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2 p. (Recomendações Técnicas, 21).
RIBEIRO, J.F. et al. 2000. Araticum (Annona crassiflora Mart.). Jaboticabal: FUNEP, 52 p. (Série Frutas Nativas, 12).
RIZZINI, C.T. 1973. Dormancy in seeds of Annona crassiflora Mart. Journal of Experimental Botany v. 24, p. 117–123.
SANTOS, L.P. et al. 1996. Araticulin, a bis-tetrahydrofuran polyketide from Annona crassiflora seeds. Phytochemistry, v.42, n.3, p.705-707, 1996.
SILVA, J.A. et al. 1994. Frutas nativas dos cerrados. Planaltina: Embrapa-CPAC/Brasília: Embrapa-SPI, 1994.
TELLES, M.P.C. et al. 2003. Caracterização genética de populações naturais de araticunzeiro (Annona crassiflora Mart. – Annonaceae) no Estado de Goiás. Revista Brasileira de Botânica, v.26, n.1. p.123-129.

 

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com