Hymenaea courbaril L.

Sinônimos: Hymenaea courbaril L. var. courbaril, H. courbaril var. stilbocarpa (Hayne) Y.T.Lee & Langenh., H. courbaril var. subsessilis Ducke, H. courbaril var. vilosa Y.T.Lee & Langenh. e Hymenaea stilbocarpa Hayne

Jatobá, jatobá-da-mata, jataí, jutaí

Árvore inerme caducifólia, heliófila,monoica,resinífera,  até 30 m de altura e 90 cm de DAP. Tronco geralmente reto, longo e levemente cônico; muitas vezes com resina solidificada na superfície. Casca espessa; ritidoma cinzento, íntegro ou localizadamente fragmentado e descamante, frequentemente com rugas transversais; casca interna vermelho-vinácea. Madeira pesada; cerne castanho ou marrom. Râmulos cinzentos a castanho-claros, glabros, lenticelados.  Folhas alternas, bifolioladas, glabras; raque de 1,5-3 cm de comprimento; folíolos curto-peciolulados, falcados a ovado-oblongos, cartáceos a coriáceos, de margem inteira, com 3-12 x 1.5-6 cm e com pontuações translúcidas contendo resina. Inflorescência corimbiforme, terminal, articulada, glabra a pubescente, com 6-10 flores e 7-12 cm de comprimento. Flores diclamídeas, pentâmeras, zigomorfas, andróginas, perfumadas, curto-pediceladas, glabras ou pubérulas, de 2-3 x 1,2-1,6 cm; cálice com 3 sépalas livres e 2 concrescidas; corola dialipétala, branca. Fruto seco, indeiscente, assimétrico, roliço ou achatado, com 4-8 x 8-16 cm e 4-8 sementes; epicarpo marrom ou negro, verruculoso ou liso, às vezes com aglomerados de resina solidificada; mesocarpo lenhoso; e endocarpo pulverulento, amarelado, de odor pronunciado, envolvendo as sementes. Sementes orbiculares, ovoides ou elipsoides, marrons, lisas, duras, de 2-3 x 1,5-2,5 cm.

Segundo Lee & Langenheim (1975), essa espécie distribui-se do sudoeste do México, passando por parte da América Central, até o leste do Paraguai e o norte, nordeste, centro-oeste e sudeste Brasil, e o estado do Paraná. Por ser muito polimórfica, esses autores reconheceram seis variedades nessa fabácea, três das quais com ocorrência comprovada no Cerrado e mencionadas no título deste post. Os habitats preferenciais destas variedades nesse bioma são as florestas estacionais subcaducifólias e caducifólias e as florestas ribeirinhas vinculadas a solos bem drenados de média a alta fertilidade.

As árvores dessas variedades de H. courbaril apresentam-se desfolhadas entre maio e agosto; florescem de setembro a novembro, com folhas já bem desenvolvidas; e apresenta frutos maduros entre agosto e outubro. As flores são de antese noturna e polinizadas por morcegos, e aparentemente também por mariposas. Durante o dia ocorrem visitas de beija-flores e de abelhas, entre outros insetos. As sementes são predadas por coleópteros e mamíferos terrestres. As plântulas na fase cotiledonar também são predadas por esses animais. Existem indícios de que esses predadores são dispersores eventuais das sementes.

A madeira é de alta qualidade e de múltiplas aplicações, sendo usada em obras internas e externas na construção civil e em confecção de móveis, objetos decorativos, instrumentos musicais, tonéis, carrocerias, rodas d’água, moendas de engenho de moer cana etc. O tronco emana uma seiva vermelha ou amarelada, que, na região amazônica, é usada como fortificante, afrodisíaco e contra doenças pulmonares, na forma de xarope. A casa do tronco é usada na fitoterapia popular, como fortificante, cicatrizante, antigripal, antitérmico e vermífugo. As flores são fonte de néctar para morcegos, beija-flores e insetos. A polpa pulverulenta dos frutos é apreciada por vários membros da fauna silvestre (cutia, paca, anta, porco-do-mato, veado-mateiro etc.) e por muitas pessoas, que a consomem in natura e sob a forma de mingau, bolo e biscoito. A casca dos frutos e as sementes são utilizadas em confecção de artesanatos. A resina do tronco e dos frutos teve largo emprego na indústria de vernizes, mas hoje é mais utilizada como cicatrizante de feridas e no tratamento de laringite, faringite, reumatismo, afecções urinárias e fraturas ósseas, na forma de cataplasma. A espécie deve estar sempre presente em projetos de arborização de grandes espaços no meio urbano e no rural, de recomposição de áreas desmatadas,  de implantação de sistemas agroflorestais e de plantios para obtenção de madeira, frutos e resina.

Na formação de mudas de H. courbaril, deve-se utilizar sementes completamente livres da polpa que as envolvem e que sejam novas ou que tenham sido conservadas em embalagens herméticas por no máximo 4 meses. Para a germinação seja rápida e uniforme, é conveniente escarificar as sementes, friccionando-as em um abrasivo de textura fina (p. ex., lixa d’água 220). A semeadura deve ser realizada em recipientes de no mínimo 25 x 15 cm, contendo terra argilo-arenosa misturada com esterco curtido na proporção de 1:1. Os recipientes devem ser mantidos em ambiente com cerca de 50% de sombreamento, até que as plântulas atinjam uma altura de 10-15 cm; depois, deve-se reduzir gradativamente o sombreamento do ambiente para 20% a 30%.

H. courbaril predomina em florestas já bastante fragmentadas pela prática de atividades agropastoris e é objeto de corte para aproveitamento da madeira, mas possui ampla dispersão no Cerrado, ocorre também em áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas) e está presente em muitas unidades de conservação de proteção integral nesse bioma. Além disso, por formar árvores soberbas e produtoras de frutos, recebe proteção de muitos fazendeiros.

 Comentário: Boniface et al.( 2017) referiram-se a Hymenaea como um grupo de plantas no qual já foram identificadas mais de uma centena de compostos orgânicos, incluindo ácidos graxos, flavonoides, terpenoides, esteroides, ácidos fenólicos, fitailidas, procianidinas e cumarinas. Segundo esses autores, os estudos já realizados indicam que extratos da casca de algumas espécies desse gênero são efetivos contra desordens respiratórias, asma, diarreia e algumas infecções microbianas, mas que ainda falta informação sobre os mecanismos de ação e os níveis de segurança dos compostos existentes nesses extratos.

Chave para distinção das espécies de Hymenaea com ocorrência confirmada no Cerrado: 

 (Em construção)

Indivíduo em floresta estacional subcaducifólia alterada por ações antrópicas. Campos Belos (GO), 06-05-1994

Superfície do ritidoma de um indivíduo de tamanho mediano. 21-12-2014

Flores e botões florais. 08-11-2013

Frutos maduros. 02-08-1994

LITERATURA
ALECHANDRE, A. et al. 2011. Guia de boas práticas para a extração de seiva de jatobá (Hymenaea courbaril L.). Rio Branco: IPAM/USAID, 35 p.
ALMEIDA, S. P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA-CPAC,  464 p.
BONIFACE, P.K. et al. 2017. Current state of knowledge on the traditional uses, phytochemistry, and pharmacology of the genus Hymenaea. Journal of Ethnoipharmacoloy, v.206, p.193-223.
BRANDÃO, M.G.L. 2015. Plantas úteis de Minas Gerais e Goiás: na obra dos naturalistas. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, 109 f.
CARVALHO, P.E.R. 1994. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo (PR): EMBRAPA-CNPF; Brasília: SPI, 640 p.
CIPRIANO, J. et al. 2014. O gênero Hymenaea e suas espécies mais importantes do ponto de vista econômico e medicinal para Brasil. Caderno de Pesquisa, Série Biologia, v.26, n.2, p.41-51.
CRESTANA, C.M. et al. 1983/1985. Ecologia de polinização de Hymenaea stilbocarpa Hayne, o jatobá. Silvicultura em São Paulo, v.17/19, p.31-37.
JANZEN, D.H. 1983. Chapter 7, Plants. Hymenaea courbaril (Guapinol, Stinking Toe). In: JANZEN, D.H. (ed.). Costa Rican Natural History. Chicago: The University of Chicago Press, 253-256.
FLORES, E.M. & BENAVIDES, C.E. 1990. Germinación y morfología de la plántula de Hymenaea courbaril L. (Caesalpinaceae). Revista de Biologia Tropical, v.38, n.1, p.91-98.
GUIMARÃES, F. L. C. et al. 1995. Germinação e dormência de sementes de Hymenaea courbaril L. (Leguminosae-Caesalpinoideae). Hoehnea, v.22, n.1/2, p.217-227.
JANZEN, D.H. 1983. Hymenea courbaril (Guapinol, Stinking Toe). In: JANZEN, D.H. (ed.). Costa Rican Natural History. Chicago: University of Chicago, p.253-256.
LEE, Y.T. & LANGENHEIM, J.H. 1975. Systematics of the genus Hymenaea L. (Leguminosae, Caesalpinioideae, Detarieae). Berkeley :University of California, 109 p. (University of California Publications in Botany, v. 69).
LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, v. 1, 1a edição. p.155.
PESTANA, L.T.C. 2010. Estudo taxonômico de Hymenaea L.: complexo H. courbaril, H. martiana e H. stigonocarpa (Fabaceae: Caesalpinioideae: Detarieae). Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. 38 p.
PINTO, R.B.; TOZZI, A.M.G.A. &; MANSANO, V.F. Hymenaea in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB132728>. Acesso em: 14 Fev. 2020.
QUEIROZ, L.P. 2009. Leguminosas da Caatinga. Feira de Santana (BA): Universidade Estadual de Feira de Santana∕Kew Gardens, 467 p.
SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I. & GOTTSBERGER, G. 1988. A polinização de plantas do cerrado. Revista Brasileira de Biologia, v.48, p.651–663.
SILVA JÚNIOR, M.C. & PEREIRA, B.A.S. 2009. + 100 Árvores do Cerrado: Matas de Galeria: Guia de Campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, p.228-229.
SOUZA, I.M. et al. 2016. Flora da Bahia: Leguminosae – Hymenaea (Caesalpinioideae: Detarieae). Sitientibus série Ciências Biológicas, v.6, p.-18.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com