Luehea divaricata Mart. & Zucc.

Açoita-cavalo, açoita-cavalo-roxo, pau-de-canga, embireira

Árvore inerme, caducifólia, heliófila, monoica, com até 20 m de altura e 50 cm de DAP. Tronco geralmente com sapopemas, às vezes com  acanaladuras na base. Casca moderadamente espessa; ritidoma cinzento a pardacento, muito dividido, firme ou descamante;  casca interna avermelhada, muito fibrosa, com listras esbranquiçadas. Madeira moderadamente pesada; cerne amarelado a marrom-escuro. Folhas simples, alternas dísticas, serreadas, discolores, pilosas, com três nervuras grandes partindo da base e 3-20 x 1,5-7 cm; pecíolo até  1,5 cm de comprimento. Inflorescências terminais ou axilares, multifloras, pilosas, com 8-12 cm de comprimento; flores vistosas, pediceladas, diclamídeas, pentâmeras, actinomorfas, andróginas, pilosas, perfumadas, com 3,5-4 cm de comprimento; bractéolas do epicálice 7-9, lineares; sépalas lineares, com 1,5-2 cm de comprimento; pétalas suborbiculares, espatuladas, com 1,5-2,5 cm de comprimento, reflexas e variando de de róseas a lilases, com a base amarela, na antese.  Frutos secos, lenhosos, angulosos, deiscentes, oblongos, cônico quando aberto, polispermos, com pilosidade ferrugínea, aveludada, com 1,5-2,5 cm de comprimento. Sementes pequenas, aladas com asa dourada; núcleo seminal pequeno, na extremidade da asa.

Ocorre no Uruguai, Argentina, Paraguai e no Brasil, nas unidades federativas das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia. Os seus registros de ocorrência no Cerrado estão concentrados nas partes central e meridional desse bioma, sendo a maioria em florestas subcaducifólias e florestas ribeirinhas.

Perde as folhas no meado da estação seca; floresce em dezembro e janeiro, com folhas bem desenvolvidas; e apresenta frutos maduros entre julho e setembro. As flores abrem-se no fim do dia (apenas uma em cada inflorescência) e são frequentadas por insetos de hábito noturno e provavelmente por morcegos; enquanto durante o dia são frequentadas por himenópteros, lepidópteros e beija-flores. As sementes são dispersas pelo vento.

A madeira é compacta e resistente, já tendo sido muito usada na construção civil, no meio rural e nas cidades. Por não ser muito pesada e ser fácil de moldar, já foi também muito empregada em confecção de móveis, esculturas, formas para calçados, caixotes, coronhas, cangas de boi entre outros objetos. A entrecasca, por ter fibras resistentes, é utilizada como sucedâneo  de cordas e barbantes. Essa casca e a madeira, já foram aproveitadas como fonte de tanino. As flores são citadas na literatura especializada como uma das mais atrativas e úteis para a abelha Apis melífera.  A casca interna e as folhas são utilizada na medicina caseira, como analgésico, calmante, anti-inflamatório, cicatrizante, diurético, antirreumático, antidiarreico, antibiótico, expectorante, depurativo e  uma série de outros problemas de saúde no ser humano; porém, os estudos até agora realizados comprovaram a sua eficácia contra apenas uma parte desses males. A espécie, devido às suas vistosas flores e aos recursos que estas oferecem a uma parte da fauna, é indicada para arborização urbana e para recomposição de áreas desmatadas.

L. divaricata é propagada por sementes. Para obtê-las, deve-se colher os frutos nas árvores, no início da deiscência, e coloca-los para completar esse processo em bandejas, em ambiente sombreado e ventilado. Após a abertura, os frutos são sacudidos e as sementes obtidas são colocadas em um saquinho de pano, onde são rápida e suavemente comprimidas para remoção das asas. A semeadura pode ser realizada em sementeira, para posterior repicagem das plântulas, ou em saquinhos de polipropileno com 25 x 15 cm contendo terra argilo-arenosa misturada com matéria orgânica decomposta na proporção de 1:1. Outros recipientes e substratos também dão bons resultados, conforme relatado nos trabalhos de Felker et al. (2011) e Grave et al. (2007, abaixo referenciados. A cobertura das sementes deve ser sempre com uma tênue camada de substrato e as regas devem ser feitas com pulverizador.

Essa malvácea é citada para apenas uma parte da área de abrangência do Cerrado, ocorre em terrenos preferenciais para atividades agropastoris e foi muito explorada para aproveitamento da madeira. Por outro, ocorre em áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas) e está presente em algumas unidades de conservação de proteção integral nesse bioma.

Distinção da espécie

L. divaricata distingue-se das suas congenéricas no Cerrado por, principalmente, ser a única que possui pétalas róseas a lilases na antese, com a base amarela. Além disso, suas folhas são divaricadas e seus frutos são bem menores do que os dessas outras espécies.

Árvore preservada na área de recreação do Parque Nacional de Brasília. Brasília (DF), 08-03-2019

Superfície do ritidoma. Uberlândia (MG), 03-01-2018

Flor, botões florais e folhas. Uberlândia (MG), 03-01-2018

Frutos maduros, após a dispersão das sementes. Uberlândia (MG), 03-01-2018

LITERATURA
BATISTA, E.K.F. et al. 2016. Atividades antinociceptiva e antiinflamatória do extrato etanólico de Luehea divaricata. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.18, n.2, p.433-441.
BACKES, P. & IRGANG, B. 2002. Árvores do Sul; guia de identificação & interesse ecológico – as principais espécies nativas sul-brasileiras. Santa Cruz do Sul (RS): Clube da Árvore/Instituto Souza Cruz, 325p.
BRANDÃO, M. & FERREIRA, P.B.D. 1991. Flora apícola do Cerrado. Informe Agropecuário, v.15, n.168, p.7-14.
BRANDÃO, M. & LACA-BUENDIA, J.P. 1993. O gênero Luehea Willd (Tiliaceae) no Estado de Minas Gerais. Daphne, v.3, n.3, p.38-45.
CALIXTO-JÚNIOR, J.T. 2016.The genus Luehea (Malvaceae-Tiliaceae): review about chemical and pharmacological aspects. Journal of Pharmaceutics [online], in: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5081957/pdf/JPHAR2016-1368971.pdf, acesso em: 06-01-2018.
CARVALHO, P.E.R. 2008. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA∕SPI; Colombo (PR): Embrapa Florestas, 640 p.
CUNHA, M.C.S. 1985. Revisão das espécies do gênero Luehea Willd. (Tiliaceae), ocorrentes no Estado do Rio de Janeiro. Sellowia, n.37, p.5-41.
FELKER, R.M. et al. 2015. Crescimento de mudas de açoita-cavalo (Luehea divaricata Mart.) sob influência de diferentes substratos e recipientes, em viveiro. Enciclopédia Biosfera, v.11 n.22; p.809-823.
GRAVE, F. et al. 2007. Crescimento de plantas jovens de açoita-cavalo em quatro diferentes substratos. Ciência Florestal, v.17, n. 4, p.289-298.
IBGE. 2002. Arvores do Brasil Central: Espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, p. 333-335.
LOPEZ, J. A. et al. 1987. Arboles comunes del Paraguay. Washington: Peace Corps, 425 p.
LORENZI, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum, v.1, 4a ed., 368 p.
Luehea in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB9094>. Acesso em: 23 Fev. 2020.
OLIVEIRA, A.C.B.; ESTEVES, G.L. & CAVALCANTI, T.B. 2009. Tiliaceae. Flora do Distrito Federal, v.7, p.269-282.
PACHECO, J.P. &FRANCO, E.T.H. 2008. Substratos e estacas com e sem folhas no enraizamento de Luehea divaricata Mart. Ciência Rural, v. 38, n. 7, p. 1900-1906.
PAOLI, A.A.S. 1995. Morfologia e desenvolvimento de sementes e plântulas de Luehea divaricata Mart.et Zucc. (Tiliaceae). Revista Brasileira de Sementes, v.17, n.1, p.120- 128.
PERIN, J.E. et al. 1997. Teste de germinação em sementes de açoita-cavalo (Luehea divaricata Mart. & Zucc. – Tiliaceae), a nível de viveiro. Informativo Abrates, v.7, n.1/2, p.232.
ROSA, R.L. 2014. Anti-inflammatory, analgesic, and immunostimulatory effects of Luehea divaricata Mart. & Zucc. (Malvaceae) bark. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v.50, n.3, p.599-610.
SOUZA, B.M. & ESTEVES, G.L.2002. Tiliaceae. In: WANDERLEY, M.G L. et al. (eds.). Flora fanerogâmica do Estado de São Paulo. v.2, p.331-341.
TANAKA, J.C.A etal. 2005. Chemical constituents of Luehea divaricata  Mart. (Tiliaceae). Química Nova, v.28, n.5, p. 834-837.
TOLEDO FILHO, D.V. & PARENTE, P.R. 1988. Arborização urbana com essências nativas. Boletim Técnico do Instituto Florestal, v.42, p.19-31.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com