Virola sebifera Aubl.

Sinônimo: Virola theiodora (Spruce ex Benth.) Warb.

Virola, bicuíba, ucuúba

Árvore inerme, heliófila, subcaducifólia, dioica, de até 18 m de altura e 40 cm de DAP. Tronco monopodial, quase sempre retilíneo, com esgalhamento (sub)verticilado e frequentemente com sapopemas. Casca moderadamente espessa; ritidoma  amarronzado a pardacento, sulcado, fissurado e descamante, geralmente com colônias acinzentadas de líquens; casca interna variando de avermelhada a amarronzada e a brancacenta, na região do floema; exsudando seiva de cor âmbar quando cortada . Madeira moderadamente pesada; cerne variando de amarelo-escuro a castanho. Râmulos roliços, geralmente longos, fulvo-tomentosos ou glabrescente no ápice. Folhas simples, alternas, dísticas; pecíolo de 10-20 mm de comprimento; lâmina  (sub)coriácea, glabra a glabrescente na face superior, fulvo ou ferrugíneo-tomentosa na inferior, de 8-22 x 5-12 cm, ovada, com base cordada ou arredondada, ápice agudo a acuminado e margem inteira. Inflorescências axilares, fulvo-tomentosas; flores curto-pediceladas, tomentosas, unissexuais, monoclamídeas, actinomorfas, perfumadas, de 3-4 mm de comprimento, com perigônio trímero, campanulado. Inflorescências masculinas paniculiformes, de 8-24 cm de comprimento; flores em fascículos de até 15 unidades, com androceu constituído por 3 estames concrescidos. Inflorescências femininas fasciculadas, de até 7 cm de comprimento; flores solitárias ou em grupos de até 7 unidades, com ovário súpero, unilocular e uniovulado. Frutos curto-pedunculados, fulvo-tomentosos, elipsoides a globosos, monospermos, deiscentes, de 15-20 x 10-15 mm. Sementes elipsoides a globosas, alvacentas, sulcadas, oleaginosas, de 10-15 x 8-10 mm; envolvidas por um arilo vermelho brilhante, carnoso, oleoso, com divisões longitudinais.

Distribui-se da Costa Rica até  o Paraguai. Possui registros de ocorrência em todas as unidades federativas das regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil (exceto Espírito Santo), bem como nos estados do Maranhão e da Bahia. Ocorre em praticamente toda a área de abrangência do Cerrado, em cerradões, florestas ribeirinhas situadas em terrenos drenados e florestas estacionais subcaducifólias e perenifólias. Devido à sua vasta dispersão, é considerada uma espécie com acentuadas variações morfológicas, especialmente nas folhas.

Floresce de novembro a março, com maior índice de indivíduos floridos entre dezembro e fevereiro. A maturação dos frutos, na maioria dos indivíduos, se dá entre agosto e outubro. As flores, conforme um estudo realizado por Lenza & Oliveira (2000) em Minas Gerais, são frequentadas por insetos de hábito noturno, que retiram pólen das flores masculinas e polinizam as femininas, sendo essenciais para a formação  de sementes. As sementes, quando expostas no fruto, atraem primatas, alguns marsupiais e aves, com destaque para tucanos, que segundo Howe (1981), foram os principais dispersores desses propágulos em uma localidade no Panamá.

A madeira, considerada de baixa durabilidade, é muito utilizada  no meio rural do Cerrado, como  fonte de energia, varão para cercas e como viga, caibro e outras peças para construção teto de edificações provisórias; além disso, é considerada boa matéria-prima para confecção de móveis simples, caixotes, urnas funerárias, forros, laminados, contraplacados, molduras e brinquedos, e para fabricação de polpa para papel. As sementes contêm um óleo muito similar ao da ucuúba (Virola surinamensis), que é usado em algumas comunidades como combustível para lamparinas; para fazer velas, sabão e tochas para andar no escuro; para cicatrizar feridas e aliviar sintomas de artrite e reumatismo; e para proteger e melhorar a aparência dos cabelos e da pele.  O decocto dos frutos verdoengos e o exsudato (seiva) emanado pela casca são usados contra problemas hemorroidais, aftas, amigdalite, gripe e reumatismo; enquanto o das folhas e da casca do tronco é utilizado contra afecções cutâneas, problemas estomacais, diarreia, cólicas e dor de cabeça. O arilo das sementes é altamente nutritivo e se constitui em um recurso alimentar de alta importância para tucanos, araçaris, cotingas, macacos e marsupiais arborícolas. As sementes que caem no chão são apanhadas por animais como anta, porco-do-mato, paca e cutia. A espécie reúne atributos que a tornam altamente elegível para arborização urbana, recomposição de áreas desmatadas.

Os propágulos utilizados para a formação de mudas de V. sebifera são as sementes. Estas perdem rapidamente a viabilidade e por isto é preciso colhê-las e colocá-las para germinar logo após a abertura dos frutos; é também imprescindível remover o arilo que as envolvem e lavá-las em água corrente. A semeadura pode ser em sementeiras ou em recipientes individuais, em ambiente levemente sombreado. O substrato pode uma mistura de terra argilo-arenosa com esterco curtido, na proporção 1:1. A taxa de germinação costuma ser da ordem de 30% e a emergência das plântulas ocorre num prazo de 30 a 50 dias após a semeadura. O crescimento das plântulas e dos indivíduos juvenis no campo varia de lento a moderado, dependendo, aaparentemente, das condições locais e da procedência das sementes.

V. sebifera ocorre em toda a área de abrangência do Cerrado, é comum em áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas) e está presente em muitas unidades de conservação de proteção integral nesse bioma. Por outro lado, é uma espécie que teve um incalculável número de populações  dizimadas pelo homem, principalmente por meio de desmatamentos para a prática de atividades agropastoris.

Distinção da espécie

V. sebifera pode ser distinguida das suas congenéricas focalizadas neste trabalho pelo habitat, tendo em vista que ocorre somente em formações florestais vinculadas a solos bem drenados. Bem como pelas folhas, que são fulvo ou ferrugíneo-tomentosas na face inferior, geralmente são cordadas e são maiores do que as de V. urbaniana e menores do que as V. surinamensis.

Árvore em cerradão convertido em pastagem. Catalão (GO), 23-12-2016

Superfície do ritidoma e cor da casca interna e do exsudato desta. Catalão (GO), 23-12-2016

Inflorescências e folhas. Cascalho Rico (MG), 22-02-2014

Frutos maduros, expondo as sementes. Estrela do Sul (MG), 13-07-2013

 

LITERATURA
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA-CPAC, 464 p.
ARTEAGA. L.L. 2008. Dispersión y remoción de semillas de Virola sebifera (Myristicaceae) em um bosque montano de Bolivia. Ecologia en Bolivia, v.43, n.2, p.111-118.
DePILIPPS, R.A. et al. 2004. Medicinal plants of the Guianas (Guyana, Surinam, French Guiana). Washington:  Smithsonian Institution  ∕ National Museum of Natural History, 477 p.
DENNY, C. et al. 2007. Atividade antiproliferativa dos extratos e da fração orgânica obtidos das folhas de Virola sebifera Aubl. (Myristicaceae). Revista Brasileira de Farmacognosia, v.17, n.4, p.598-603.
HOWE, H.F. 1981. Dispersal of a neotropical nutmeg (Virola sebifera) by birds. The Auk, v.98, p.88-98.
IBGE. 2002. Árvores do Brasil Central: espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, p.254-255.
LENZA, E. & OLIVEIRA, P.E. 2006. Biologia reprodutiva e fenologia de Virola sebifera Aubl. (Myristicaceae) em mata mesofítica de Uberlândia, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v.29, n.3, p. 444-451.
LORENZI, H. 1992. Arvores brasileiras: manualde identificação e cultivo de plantas arbóreas brasileiras. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, v.1. 1a ed., 352 p.
LOUREIRO, A.A. et al. 1989. Estudo anatômico de 24 espécies do gênero Virola (Myristicaceae) da amazônia. Acta Amazonica, v.19, p.415-465.
MARTINEZ V. J. C.; ALDANA J. M. I.; CUCA S. L. E. Dibenzybutane lignans from Virola sebifera leaves. Phytochemistry, v. 50, p. 883-886, 1999.
Myristicaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB19793>. Acesso em: 23 Mai. 2019.
OLIVEIRA, P.E. 1996. Dioecy in the cerrado vegetation of Central Brasil. Flora, v.191, p.235-243.
PEREIRA, S.F.M. et al. 2018. Avaliação do rendimento e composição química do óleo essencial das folhas, frutos de Virola sebifera Aubl. (Myristicaceae). 58o Congresso Brasileiro de Química, São Luís (MA), 2018 (Resumo Expandido).
REZENDE, K.R. & KATO, M.J. 2002.  Dibenzylbutane and Aryltetralone Lignans from Seeds of Virola sebifera. Phytochemistry, v.61,n.4, p.427-32.
RODRIGUES, M.G. & ALENCAR, F.O.C.C. 1990. Germinação de sementes de Virola sebifera Aubl., espécie arbórea ornamental nativa do Distrito Federal. O Jardineiro, v.1, n.1, p.71-74.
RODRIGUES, W.A. 1980. Revisão taxonômica das espécies de Virola Aublet (Myristicaceae) do Bra sil. Acta Amazônica (Suplemento), v.10, n.1, p.5-127.
RODRIGUES, W.A. 1982. Myristicaceae. In: RIZZO, J.A. (ed.). Flora do Estado de Goiás: Coleção Rizzo. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, v.4, p.1-33.
 SILVA JÚNIOR, M.C. & PEREIRA, B.A.S. 2009. + 100 Árvores do Cerrado: Matas de Galeria: Guia de Campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, p.88-89.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com