Emmotum nitens (Benth.) Miers

Sôbro, sôbre, aderno, casca-de-anta

Árvore inerme, heliófila, perenifólia a subcaducifólia, dioica, de até 15 m de altura e 40 cm de DAP. Tronco geralmente retilíneo e curto. Casca moderadamente espessa; ritidoma  cinzento a pardacento, íntegro ou localizadamente fissurado e descamante; casca interna branco-amarelada, passando a ferrugínea logo após o corte. Madeira pesada; cerne variando de amarelado a marrom, geralmente com listras escuras. Râmulos cinzentos, roliços, estriados, pubescentes. Folhas simples, alterno-espiraladas; pecíolo de 1-2,5 cm de comprimento; lâmina tipicamente discolor, cartácea a subcoriácea, ovada a a elíptica, com margem inteira, revoluta, glabra na face adaxial, tomentosa na abaxial, de 8-15 x 5-8 cm. Inflorescências paniculiformes, axilares, pilosas, de 2-4 cm de comprimento. Flores curto-pediceladas, andróginas, diclamídeas, pentâmeras, actinomorfas, de ± 4 mm de comprimento; cálice verde-acinzentado, pentalobado; corola  dialipétala, amarelo-clara ou creme; androceu isostêmone; ovário súpero, com 3 ou mais lóculos. Fruto subgloboso, com 1,5-2,5 cm de diâmetro e 0 a 7 sementes; pericarpo liso, amarelo e depois negro na maturação; mesocarpo polposo, às vezes suculento, de sabor adstringente; e endocarpo marrom ou pardo, rijo, áspero. Sementes de cor creme a bege, achatadas, de 4-6 mm de comprimento.

Possui registros de ocorrência para os estados do Acre, Rondônia, Amazonas, Pará, Tocantins, Maranhão, Bahia, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e para o Distrito Federal. Ocorre na maior parte da área de abrangência do Cerrado, em cerrado rupestre, cerrado denso, borda de floresta ribeirinha e cerradão. Em algumas localidades, o seu índice de valor de importância nos cerradões pode equivaler a 1∕4 do total da comunidade.

Pode perder uma parte da folhagem na estação seca; floresce de janeiro a junho e em alguns outros meses do ano; apresenta frutos maduros em janeiro, fevereiro e, principalmente, entre outubro e dezembro. As flores são frequentadas por pequenos himenópteros, dípteros e lepidópteros. As sementes são dispersas por morcegos que se alimentam da polpa dos frutos e provavelmente por aves e alguns animais terrestres.

A madeira é utilizada em obras internas e externas no meio rural, para confeccionar móveis rústicos e como combustível. As flores parecem oferecer néctar e pólen aos seus visitantes. Os frutos são fonte de alimento para morcegos e alguns outros membros da fauna silvestre. A espécie é indicada para arborização urbana e rural e para recomposição de áreas alteradas em cerradões e cerrados.

A propagação de E. nitens é feita por meio de sementes, sem retirá-las do endocarpo. Os diásporos (endocarpo + sementes) devem ser provenientes de frutos bem maduros e estarem com a superfície completamente isenta de resíduos da polpa. A semeadura pode ser feita em recipientes individuais de ± 20 x 10 cm, contendo uma mistura de terra argilo-arenosa com esterco de curral bem curtido, na proporção de 1:1. Deve-se semear mais de um diásporo por recipiente, porque a taxa de germinação das sementes geralmente é baixa. O desenvolvimento das plântulas varia de lento a moderado.

E. nitens possui ampla dispersão no Cerrado e está presente em muitas unidades de conservação de proteção integral e áreas de preservação permanente nesse bioma. Porém, sofre fortes pressões do homem, por predominar em cerradões e cerrados com solos e relevo muito favoráveis à prática de atividades agropastoris.

Distinção da espécie

Em construção

 

Árvore em cerradão convertido em pastagem. Coromandel (MG), 05-04-2014

Superfície do ritidoma. Monte Carmelo (MG), 03-03-2014

Inflorescências. Coromandel (MG), 26-01-2014

Frutos imaturos e maduros. Coromandel (MG), 26-01-2014

LITERATURA
AGUIAR, L.M.S. 2005. First record on the use of leaves of Solanum lycocarpum (Solanaceae) and fruits of Emmotum nitens (Icacinacea) by Platyrrhinus lineatus (E. Geoffroy) (Chiroptera, Phyllostomidae) in the Brazilian Cerrado. Revista Brasileira de Zoologia, v.22, n.2, p.509-510.
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA-CPAC, 464 p.
ALVES, M.V.P. 2012. Produção de mudas de Emmotum nitens (Benth.) Miers (Icacinaceae) em diferentes composições de substratos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.7, n.2, p 225-235.
ALVES, M.V.P. 2012. Armazenamento, viabilidade e emergência de sementes e diásporos de Emmotum nitens (Benth.) Miers. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.7, p.163-168.
ALVES, M.V.P. & SILVA, J.C.S. 2013. Fenologia de Emmotum nitens (Benth.) Miers (Icacinaceae) na Reserva Ecológica Cerradão – Embrapa Cerrados, Planaltina – DF. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.8, n.1, p.125- 131.
ALVES, M.V.P. et al. 2014. Caracterização morfológica de frutos, sementes, plântulas e mudas de Emmotum nitens (Benth.) Miers (Icacinaceae). Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.9. , n.2 , p. 59-67.
BARROSO, G.M. et al. 1973. O gênero Emmotum Desv. (Icacinaceae) na Amazônia Brasileira. Museu Paraense Emílio Goeldi, Publicações Avulsas, v.20, p.203-220.
CRUZ, A.P.O. & VIANA, P.L. 2016. Flora das cangas da Serra dos Carajás, Pará, Brasil: Metteniusaceae. Rodriguésia, v.67, n. especial, p.1427-1429.
IBGE. 2002. Árvores do Brasil Central: espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, 417 p.
LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.2, 2a ed., Nova Odessa (SP), Editora Plantarum, 352 p.
SILVA, P.O. 2018. Comportamento fenológico de Emmotum nitens (Benth.) Miers (Metteniusaceae) em fragmento de cerradão. Nativa: Pesquisas Agrárias e Ambientais, v.6, n.1, p.33-38.
 SILVA JÚNIOR, M.C. & PEREIRA, B.A.S. 2009. + 100 Árvores do Cerrado: Matas de Galeria: Guia de Campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, p.74-75.
STEFANO, R.D. Emmotum in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB8032>. Acesso em: 04 Mar. 2019.
STEFANO, R.D. & FERNÁNDEZ-CONCHA, G.C. 2011. Morphology-inferred phylogeny and a revision of the genus Emmotum (Icacinaceae). Annals of the Missouri Botanical Garden, v.98, n.1, p.:1-27.
STULL, G.W. et al. 2015. Resolving basal lamiid phylogeny and the circumscription of Icacinaceae with a plastome-scale data set. American Journal of Botany, v.102, p.1794-1813.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com