Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville

Sinônimos: Stryphnodendron barbatimam (Vell.) Mart, S. barbadetimam (Vell.) Mart.

Barbatimão

Em construção

 

Árvore com folhas novas, em cerrado alterado pelo homem. Estrela do Sul (MG), 01-07-2014

Superfície do ritidoma e cor da casca interna. Abadia dos Dourados (MG), 12-09-2014

Inflorescências. Abadia dos Dourados (MG), 12-09-2014

Frutos. Uberaba (MG), 26-06-2016

 

LITERATURA
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA-CPAC, 464 p.
ARDISSON, L. et al. 2002. Preparação e caracterização de extratos glicólicos enriquecidos em taninos a partir das cascas de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (Barbatimão). Revista Brasileira de Farmacognosia, v.12, n.1, p.27-34.
AUDI, E.A. et al. 1999. Gastric antiulcerogenic effects of Stryphnodendron adstringens in rats. Phytotherapy Research, v.13, n.3, p.264-266.
BEZERRA, J.C.B. et al. 2002. Molluscicidal activity against Biomphalaria glabrata of brazilian cerrado medicinal plants. Fitoterapia, v.73, n.5, p. 428-430.
BORGES-FILHO, H.C.; FELFILI, J.M. 2003. Avaliação dos níveis de extrativismo da casca do barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville] no Distrito Federal, Brasil. Revista Árvore, v.27, n.5, p.735-745.
BRANDÃO, M.G.L. 2015. Plantas úteis de Minas Gerais e Goiás: na obra dos naturalistas. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, 109 f.
CARVALHO, A.C.P. 1998. Pólen de Stryphnodendron polyphillum como agente causador da cria ensacada brasileira em Apis mellifera L. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Viçosa, 60 f.
CASTAGNINO, G.L.B. 2002. Efeito do fornecimento de substituto de pólen na redução da mortalidade de Apis mellifera l. causada pela cria ensacada brasileira. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Viçosa, 63 f.
COUTO, L.C. et al. 1999. Efeito da temperatura de extração no rendimento e no teor de taninos condensados da casca do barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville]. Revista Árvore, v.23, n.3, p.333-339.
FARMACOPEIA BRASILEIRA. 2019. 6a ed., v. II. Monografias. Plantas Medicinais. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/259143/Plantas+medicinais+Pronto.pdf/1b7220eb-a371-4ad4-932c-365732a9c1b8 . Acesso em: 27/01/2020.
FELFILI, J.M.; BORGES-FILHO, H.C. 2004. Extrativismo racional da casca do barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville]. Brasília: Universidade de Brasília, 32 p.
FELFILI, J.M. et al. 1999. Estudo fenológico de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville no cerrado sensu stricto da Fazenda Água Limpa no Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v.22, n.1, p.1-14.
FELIPE, A.M.M. 2003. Efeito de extratos vegetais de Guazuma ulmifolia e Stryphnodendron adstringens na replicação dos vírus pólio-1 e herpes bovino-1 em cultura de células. Dissertação (mestrado). Universidade Estadual de Londrina, 44 f.
FIRETTI, F. 2001. Biologia reprodutiva e polinização de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (Leguminosae – Mimosoideae), Dissertação (mestrado), Universidade de Brasília, 89 f.
JACOBSON, T.K.B. 2003. Influência das características edáficas na produção de fenóis totais e taninos de duas espécies de barbatimão. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Goiás, 73 f.
LIMA, J.C.S.; MARTINS, D.T.O. & SOUZA-JUNIOR., P.T. 1998. Experimental evaluation of stem bark of Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville for antiinflamatory activity. Phytotherapy Research, v.12, n.3, p.218-220.
LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, p.227.
LORENZI, H. & MATOS, F.J.A. 2002. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, 576 p.
MARTINS, D.T.O.; LIMA, J.C.S. & RAO, V.S.N. 2002. The acetone soluble fraction from bark extract of Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville inhibits gastric acid secretion and experimental gastric ulceration in rats. Phytotherapy Research, v.16, n.5, p.427-431.
MARTINS, E.R. et al. 2009. Teor de taninos e flavonóides em cascas e folhas de barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville]. MG Biota, v.2, p.30-35.
MARTINS, E.R. et al. 2016. Stryphnodendron adstringens. Barbatimão. In: VIEIRA, RF. et al. (eds.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro – Região Centro-Oeste. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p.875-888.
MORAES, C.D.A. 1994. Resposta de algumas espécies arbóreas nativas do cerrado a adubação e calagem. 1994. Dissertação (mestrado), Universidade de Brasília, 75 f.
PEREIRA, C.A. 1984. Aspectos clínicos, laboratoriais e anátomo-histopatológicos na intoxicação experimental pela fava do “barbatimão” (Stryphnodendron barbatimão Mart.) em bovinos. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Minas Gerais, 73 f.
POGGIANI, F. 1974. Efeito de alguns nutrientes sobre o crescimento inicial de duas espécies arbóreas do cerrado. IPEF, v.8, p.3-12.
REBECCA, M. et al. 2002. Toxicological studies on Stryphnodendron adstringens. Journal of Ethnopharmocology, v.83, n.1, p.101-104.
REIS, G.M.C.L. 2001. Enraizamento in vitro de quatro leguminosas lenhosas do Cerrado. Dissertação (mestrado), Universidade de Brasília, 63 f.
RIZZINI, C.T. & MORS, W.B. 1995. Botânica econômica brasileira. São Paulo: Âmbito Cultural, 2a  ed., 248 p.
 SANTORO, K.R. et al. 2004. Efeito do tanino de Stryphnodendron spp. sobre a longevidade de abelhas Apis mellifera L. (abelhas africanizadas). Archivos de Zootecnia, v.53, n.203, p.281-291.
SANTOS, L.R. et al. 2003. Variação sazonal de taninos em barbatimão. RV Documentos, v.3, n.5, p.39.
SANTOS, S.C. et al. 2002. Tannin composition of barbatimão species. Fitoterapia, v.73, n.4, p.292-299.
SCALON, V.R. 2007. Revisão taxonômica de Stryphnodendron Mart. (Leguminosae-Mimosoideae). Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo. 264 p.
TOLEDO, C.E.M. 2002. Estudos anatômico, químico e biológico de cascas e extratos obtidos de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville, Leguminosae. Dissertação (mestrado), Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho”, 92 p.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com