Copaifera langsdorffii Desf.

Vaariedades: langsdorffii, glabra (Vogel) Benth. e grandifolia Benth.

Copaíba, pau-d’óleo, óleo, copaibeira

Árvore inerme, caducifólia, heliófila, monóica, oleoresinífera, de até 25 m de altura e 90 cm de DAP. Casca moderadamente espessa; ritidoma dividido e descamante, de cor cinzenta ou amarronzada na superfície e marrom ou vinácea na porção interna; casca viva rosada a brancacenta. Madeira moderadamente pesada, com cerne marom-claro ou castanho, geralmente com listras escuras. Folhas alternas,  paripinadas ou imparipinadas, glabras ou indumentadas, com 3-5 pares de folíolos curto-peciolulados, com lâmina de 2-5 x 1,5-3 cm repleta de pontuações translúcidas contendo oleoresina. Inflorescências paniculiformes, terminais ou axilares, glabras ou pilosas, de 5-15 cm de comprimento. Flores brancas, amareladas, às vezes rosadas, monoclamídeas, tetrâmeras, zigomorfas, andróginas, perfumadas, de 5-7 mm de comprimento. Frutos obliquamente elipsóides, apiculados, sublenhosos, deiscentes, com 1 (às vezes 2) sementes e 2-3 x 1,3-2 cm. Sementes negras, lisas, na maioria das vezes elipsoides, de 13-16 x 7-10 mm, providas de arilo amarelo, alaranjado ou avermelhado, carnoso e oleoso.

Ocorre, representada por uma ou mais de uma das três variedades acima mencionadas, na Argentina, Paraguai, Bolívia, Guiana e Brasil. Segundo Costa (2022), a distribuição conhecida dessas variedades no território brasileiro é a seguinte: variedade langsdorffii > estados da Bahia, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Paraná;  variedade glabra > Distrito Federal, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul; e variedade  grandifolia > unidades federativas das regiões Centro-Oeste e Sudeste (exceto Espírito Santo) e estados do Tocantins, Piauí, Bahia e Paraná. Copaifera langsdorffii (lato sensu) é uma das espécies arbóreas  mais comuns nos cerradões e demais formações florestais do Cerrado, indicando ser pouco seletiva quanto às características dos habitats. 

Perde a folhagem na estação seca, normalmente por um curto período, e emite folhas novas no começo da estação chuvosa. Floresce, mais comumente, em dezembro, janeiro e fevereiro, sendo que em alguns indivíduos o florescimento é supraanual. Apresenta frutos maduros entre junho e setembro. As flores são frequentadas por uma ampla variedade de insetos, com destaque para abelhas silvestres, que são os seus principais polinizadores. As sementes são dispersas por aves que se alimentam de arilo e por formigas do gênero Atta que as transportam para os seus ninhos, onde eventualmente germinam.

O tronco das árvores de C. langsdorffii, quando perfurado, emana um oleoresina que é amplamente usado na fitoterapia popular como cicatrizante, adstringente, antibiótico, anti-inflamatório, anti-reumático, depurativo do sangue e no tratamento de úlceras gástricas e de afecções cutâneas, respiratórias e urinárias, além de estar sendo usado no fabrico de sabonetes, cremes e loções para a pele. A madeira é usada em obras internas e em confecção de móveis comuns, esculturas, cabos de ferramentas e objetos similares. As flores são uma fonte importante de néctar e pólen para abelhas. O arilo das sementes entra na dieta de diversas espécies de aves, com destaque para tucanos, e serve como substrato para os fungos que as formigas do gênero Atta cultivam em seus ninhos para uso como alimento. A espécie possui atributos que a torna altamente indicada para arborização urbana e rural, recomposição de áreas desmatadas e reflorestamentos para obtenção de madeira e de oleoresina. Décadas atrás, essa fabácea foi introduzida na Índia e na Austrália sob o nome de diesel tree, como alternativa para produção de biocombustível.

Para formar mudas de C. langsdorffii, é preciso utilizar sementes livres do arilo, recém-colhidas ou que foram conservadas em embalagens herméticas e à temperatura ambiente por no máximo 4 meses. A germinação e o desenvolvimento das plântulas são rápidos quando a semeadura é realizada em recipientes de 25 x 15 cm, contendo terra argilo-arenosa misturada com matéria orgânica descomposta na proporção de 1:1, porém outros substratos também podem ser utilizados. A taxa de sombreamento do ambiente nessas fase de formação das mudas deve ser de cerca de 50%. Dependendo das condições locais e dos objetivos do plantio, pode-se realizar a semeadura em covas abertas na área que será (re)povoada com a espécie. As mudas de C. langsdorffii prosperam mais rápido e formam troncos mais retos quando plantadas com pequeno espaçamento em áreas que tenham solo profundo e fértil ou que tenham recebido adições de calcário e NPK com base em análise físico-química. 

C. langsdorffii predomina em áreas preferenciais para atividades agropastoris e é objeto de corte para aproveitamento da madeira, mas possui ampla dispersão no Cerrado, ocorre em áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas), está representada em várias unidades de conservação de proteção integral nesse bioma, é preservada em fazendas e vem sendo utilizada em arborização urbana. 

Comentários

 1: O oleoresina de C. langsdorffii é considerado tóxico quando ingerido em doses elevadas e apesar de já ter sido bastante estudado do ponto vista químico e farmacológico, a sua eficácia contra algumas das doenças acima citadas ainda não está cientificamente comprovada. 2: Existem registros de ocorrência de nódulos de bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico em radicelas de plântulas de C. langsdorffii, porém ainda falta descobrir se esses nódulos se formam também em radicelas de indivíduos juvenis e adultos.

Distinção das variedades, com base nas descrições e no mapa de distribuição de Costa (2022)

-Variedade langsdorffii: Folíolos pubérulos, pubescentes ou tomentosos. Panículas menores, do mesmo tamanho ou uma vez maior que as folhas adjacentes. Flores com sépalas geralmente pubescentes na face externa e hirsuta na face interna. Fruto de 1,8-2,2 x 1,3-2,0 cm. Arilo laranja ou ou vermelho. Com registros nas partes central, meridional e oriental do Cerrado.

-Variedade glabra: Folíolos glabros. Panículas do mesmo tamanho ou uma vez maior que as folhas adjacentes. Flores com sépalas glabras. Legume 1,8-2,5 x 1,5-2,2 cm. Arilo amarelo. Praticamente restrita à parte meridional do Cerrado.

-Variedade grandifolia: Folíolos glabros ou glabrescente na face adaxial e glabra ou pubescente na face abaxial. Panículas 1 a 2 vezes maiores que as folhas adjacentes. Fruto de 2,5-3,0 x 1,8-2,5 cm. Arilo amarelo. Dispersa por toda a área de abrangência do Cerrado.

Indivíduo florido em cerradão convertido em pastagem. Ibiá (MG), 08-01-2017

Superfície do ritidoma. Abadia dos Dourados (MG), 13-08-2013

Inflorescências. Ibiá (MG), 08-01-2017

Frutos abertos e sementes (pretas com arilo alaranjado). Ipameri (GO), 16-08-2011

LITERATURA
ALMEIDA, C.I.M. et al. 2006. Fenologia e artrópodes de Copaifera langsdorffii Desf. no cerrado. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.8, n.2, p. 64-70.
ALMEIDA, S.P. et al. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina (DF): EMBRAPA-CPAC, 464 p.
BASILE, A.C. et al. 1988. Anti-inflammatory activity of oleoresin from Brazilian Copaifera. Journal of Ethnopharmacology, v.22, n.1, p.101-109.
BARBOSA, F.S. et al. 2011. Insecticide effects of Ruta graveolens, Copaifera langsdorffii and Chenopodium ambrosioides against pests and natural enemies in commercial tomato plantation. Acta Scientiarum Agronomy, v.33, n.1, p.37-43.
BIAVATTI, M.V. et al. 2006. Análise de óleos-resinas de copaíba: contribuição para o seu controle de qualidade. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v.16, n.2, p.230-235.
BORGES, E.E.L. et al. 1982. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Revista Brasileira de Sementes, v.4, n.1, p.9-12.
BRANDÃO, M.G.L. 2015. Plantas úteis de Minas Gerais e Goiás: na obra dos naturalistas. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, 109 f.
CAMILLO, J. 2016. Copaífera langsdorffii. Copaíba. In: VIEIRA, RF. et al. (eds.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o futuro – Região Centro-Oeste. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p.731-746.
CARMO-PINTO, S.I.; SOUZA, A. M. & CARVALHO, D. 2004. Variabilidade genética por iso-enzimas em populações de Copaifera langsdorffii Desf. em dois fragmentos de mata ciliar. Scientia Forestalis, v.65, p.40-48.
CARVALHO, A.C.M. et al. 2010.  Diversidade genética, endogamia e fluxo gênico em pequena população fragmentada de Copaifera langsdorffii. Revista Brasileira de Botânica,v.33, n.4, p.599-606.
CARVALHO, P.E.R. 2003. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo (PR): Embrapa Florestas, 1039 p.
CAVALCANTI, B.C. et al. 2006. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil. Food and Chemical Toxicology, v.44, p.388-392.
CIAMPI, A.Y. & GRATTAPAGLIA, D. 2001. Variabilidade genética em populações de copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. – Caesalpiniaceae) estimada com polimorfismos de AFLP microssatélites e sequenciamento de cpDNA. Brasilia: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 33 p.  (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n. 12.).
COSTA, J.A.S. Copaifera in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB22896>. Acesso em: 25 jul. 2020.
COSTA, J.A.S. 2007 Estudos taxonômicos, biossistemáticos e filogenéticos em Copaifera L. (Leguminosae – Detarieae) com ênfase nas espécies do Brasil extra-amazônico. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Feira de Santana, 249 p.
COSTA, J.A.S. & QUEIROZ, L.P. 2010. Lectotypifications and nomenclatural notes in Copaifera L. (Leguminosae-Caesalpinioideae-Detarieae). Kew Bulletin, v.65, p.475-478.
COSTA, M.P. et al. 2012. Alometria e arquitetura de Copaifera langsdorffii (Desf.) Kuntze (Fabaceae) em fitofisionomias neotropicais no sul de Minas Gerais. Ciência Florestal, v.22, n.2, p.223-240.
COSTA-LOTUFO, L.V. et al. 2002. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, v.40, n.8, p.1231-1234.
CRESTANA, C.M. & BELTRATI, C.M. 1988. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae-Caesalpinioideae). Naturalia, v.13, p.45-54.
CRESTANA, C.S.M. & KAGEYAMA, P.Y. 1989. Biologia da polinização de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae – Caesalpinoideae), o ” óleo-de-copaíba”. Revista do Instituto Florestal, v.1, p.201-214.
DUBOC, E. & GUERRINI, I.A. 2009. Desenvolvimento inicial e nutrição de copaíba (Copaifera langsdorffii Desf.) em áreas de cerrado degradado. Planaltina ( DF): Embrapa Cerrados. 28 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento,  n. 245).
DUBYNE, D. 2017. Diesel Tree. In: http://www.oilseedcrops.org/diesel-tree/, acessado em 29-12-2017.
DUTRA, T.R.; MASSAD, M.D. & SANTANA, R.C. 2012. Parâmetros fisiológicos de mudas de copaíba sob diferentes substratos e condições de sombreamento. Ciencia Rural, v.42, n.7, p. 1212-1218.
DWYER, J. D. 1951. The Central American, West Indian, and South American species of Copaifera (Caesalpiniaceae). Brittonia v.7, n.3, p.143-172.
ESTEVES, E.A. et al. 2011. Nutritional composition of Copaifera langsdorffii Desf. aril flour and its effect on serum lipids and glucose in rats. Food Research International, v.44, n.7, p.2357-2361.
FREITAS, C.V. & OLIVEIRA, P.E. 2002. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Botânica, v.25, p.311-321.
GELMINI, F. et al. 2013.  GC–MS profiling of the phytochemical constituents of the oleoresin from Copaifera langsdorffii Desf. and a preliminary in vivo evaluation of its antipsoriatic effect. International Journal of Pharmaceutics, v.440, n.2, p.170-178.
GRAMOSA, N.V.; SILVEIRA, E.R. 2005. Volatile constituients of Copaifera langsdorffii from the Brazilian northeast. The Journal of Essential Oil Research, v.17, n.2, p.130-132.
HECK, M.C.; VIANA, L.A. & VICENTINI, V.E.P. 2012. Importância do óleo de Copaifera sp. (Copaíba). SaBios: Revista de Saúde e Biologia, v.7, n.1, p.82-90.
LIMA, V.V.F. et al. 2007. Germinação de espécies de floresta decidual após armazenamento: implicações para restauração. Revista Brasileira de Biociências, v.5, n.2 (supl.), p.96-98.
LIMA-NETO, J.S.; GRAMOSA, N.V. & SILVEIRA, E.R. 2008. Constituintes químicos dos frutos de Copaifera langsdorffii Desf. Química Nova, v.31, n.5, p.1078-1080.
LORENZI, H. 2000. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Editora Plantarum, v.1, 3ª ed., 352 p.
MARTINS, K. et al. 2008. Estrutura genética populacional de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae – Caesalpinioideae) em fragmentos florestais no Pontal do Paranapanema, SP, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v.31, n.1, p.61-69.
MELO-JUNIOR, J.C.F.; BONA, C. & CECCANTINI, G. Anatomia foliar de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae): interpretações ecológicas em diferentes condições edáficas de Cerrado. Biotemas, v.25, n.4, p.29-36.
MONTES, L.V. et al. 2009. Evidências para o uso do óleo-resina de copaíba na cicatrização de ferida – uma revisão sistemática. Natureza On Line, v.7, n.2, p.61-67.
NASCIMENTO, M.E. et al. 2012. Chemical variability of the volatiles of Copaifera langsdorffii growing wild in the Southeastern part of Brazil. Biochemical Systematics and Ecology, v.43, p.1-6.
NOLETO, L.G.; PEREIRA, M.F.R. & AMARAL, L.I.V. 2010. Alterações estruturais e fisiológicas em sementes de Copaifera Langsdorffii Desf. – Leguminosae-Caesalpinioideae submetidas ao tratamento com hipoclorito de sódio. Revista Brasileira de Sementes, v.32, n.1, p.45-59.
OLIVEIRA, A.F.; CARVALHO, D. & ROSADO, S.C.S. 2002. Taxa de cruzamento e sistema reprodutivo de uma população natural de Copaifera langsdorffii Desf. na região de Lavras (MG) por meio de isoenzimas. Revista Brasileira de Botânica, v.25, n.3, p.331-338.
PAIVA, L.A.; RAO, V.S.; GRAMOSA, N.V. & SILVEIRA, E.L. 1998. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats. Journal of Ethonopharmacology, v.62, n.1, p.73-78.
PAIVA, L.A.F. et al. 2002. Anti-inflammatory effect of kaurenic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffi on acetic acid-induced colitis in rats. Vascular Pharmacology, v.39, n.6, p.303-307.
PAIVA, L.A.F. et al. et al. 2004a. Protective effects of Copaifera langsdorffii oleo-resin against acetic acid-induced colitis in rats. Journal of Ethnopharmacology, v.93, n.1, p.51-56.
PAIVA, L.A.F. et al. 2004b. Attenuation of ischemia/reperfusion-induced intestinal injury by oleo-resin from Copaifera langsdorffii in rats. Life Sciences, v.75, n.16, p.1979-1987.
PASA, M.C.; SOARES, J.J. & GUARIM NETO, G. 2005. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Botânica Brasílica, v.19, n.2, p.195-207.
PASA, M.C.; DAVID, M. & SÁNCHEZ, M.C.M. 2012. Copaifera langsdorffii Desf: Aspectos ecológicos e silviculturais na comunidade Santa Teresa. Cuiabá, MT, Brasil. Biodiversidade, v.11. n.1, p.13-22.
PEDRONI, F.; SANCHEZ, M. & SANTOS, F.A.M. 2002. Phenology of copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. – Leguminosae, Caesalpinioideae) in a semideciduous forest, southeastern Brazil. Revista Brasileira de Botânica, v.25, n.2, p.183-194.
PEREIRA, R.S.; SANTANA, D.G. & RANAL, M.A. 2009. Emergência de plântulas oriundas de sementes recém colhidas e armazenadas de Copaifera langsdorffii Desf. (caesalpinioideae), triângulo mineiro, Brasil. Revista Árvore, v.33, n.4, p.643-652.
PEREIRA, F.J. et al. 2008. Isolamento, composição química e atividade anti-inflamatória do óleo essencial do pericarpo de Copaifera langsdorffii Desf. de acordo com hidrodestilações sucessivas. Latin American Journal of Pharmacy, v.27, n.3, p.369-74.
PEREIRA, R.S. et al. 2007.  Emergência de plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. Revista Brasileira de Biociências, v.5, n.2 (supl.), p.1005-1007.
PEREZ, S.C.J.G. & PRADO, C.H.B.A. 1993. Efeitos de diferentes tratamentos pré germinativos e da concentração de alumínio no processo germinativo de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. Revista Brasileira de Sementes, v.15, n.1, p.115-118.
PIERI, F.A. et al. 2009. Óleo de copaíba (Copaifera sp.): histórico, extração, aplicações industriais e propriedades medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.11, n.4, p. 465-472.
POLO, M. 1993. Germinação, crescimento e cumarinas em Copaifera langsdorffii Desf. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, 149 p.
RODRIGUES, P.M.S. et al. 2007. Efeito da luz e da procedência na germinação de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Fabaceae – Caesalpinoideae). Revista Brasileira de Biociências, v.5, n.2, (supl.), p.264-266.
RODRIGUES, T.M.; TEIXEIRA, S.P.; MACHADO, S.R. 2011.The oleoresin secretory system in seedlings and adult plants of copaíba (Copaifera langsdorffii Desf., Leguminosae–Caesalpinioideae). Flora – Morphology, Distribution, Functional Ecology of Plants, v.206, n.6, p.585-594.
ROSA, J.C. & GOMES, A.M.S. 2009. Os aspectos etnobotânicos da copaíba. Revista Geografar, v.4, n.1, p.59-77.
ROSÁRIO, M.M.T. et al. 2008. Effect of storage xyloglucans on peritoneal macrophages. Phytochemistry, 69(2), 464-472, 2008.
 SILVA, A.G. et al. 2012. Application of the essential oil from Copaiba (Copaifera langsdorffii Desf.) for acne vulgaris: a double-blind, placebo controlled clinical trial. Alternative Medicine Review, v.17, n.1, p.69-75.
SILVA JÚNIOR, M.C. & PEREIRA, B.A.S. 2009. + 100 Árvores do Cerrado: Matas de Galeria: Guia de Campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, p.226-227.
SOUZA, A.B. et al. 2011a. Antimicrobial activity of terpenoids from Copaifera langsdorffii Desf. against cariogenic bactéria. Phytotherapy Research, v.25, n.2, p.215-220.
SOUZA, A.B. et al. 2011b. Antimicrobial evaluation of diterpenes from Copaifera langsdorffii oleoresin against periodontal anaerobic bactéria. Molecules, v.16, n.11, p.9611-9619.
VEIGA JUNIOR, V.F. & PINTO, A.C. 2002. O gênero Copaifera L. Química Nova, v.25, n.2, p.273-286.
VEIGA JUNIOR, V.F. & PINTO, A.C. 2006. Constituintes químicos das cascas de Copaifera langsdorffii Desf. Revista Fitos, v.2, n.1, p.1078-1080.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com