Aspidosperma cuspa (Kunth) S.F.Blake

Peroba, pereiro, pereiro-amargoso, guatambu

Árvore inerme, latescente (látex branco), caducifólia, heliófila, monoica, até 12 m de altura e 25 cm de DAP. Tronco retilíneo ou tortuoso e levemente cônico. Casca moderadamente espessa; ritidoma cinzento a pardacento, verrucoso, íntegro ou estreitamente fissurado; casca interna amarelada. Madeira moderadamente pesada; cerne amarelado a marrom-claro, de texto fina. Râmulos castanhos, lenticelados, verdes e velutinos quando jovens. Folhas simples, alternas, obovadas a elípticas, membranáceas a cartáceas, glabrescentes ou pilosas na face inferior, de 3-10 x 2,5-6 cm; pecíolo de 4-7 mm de comprimento. Inflorescências paniculadas, opositifólias, pilosas, de 3-5 cm de comprimento. Flores pentâmeras, actinomorfas, curto-pediceladas, perfumadas, de 4-6 mm de comprimento; cálice curto, piloso; corola amarelada, gamopétala, pilosa na face interna do tubo. Frutos falciforme, compressos, costados, mucronados, lenticelados, secos, lenhosos, deiscentes, de 3-4 x 2-3 cm. Sementes geralmente 4 por fruto, planas, semicirculares, com tegumento membranáceo, castanho-caro, contornadas por uma membrana bege, elíptica, de 2,5-3,5  x 1,5-2 cm.

 Possui registros de ocorrência nas unidades federativas da região Centro-Oeste e nos estados do Tocantins, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. É encontrada na maior da área de abrangência do  Cerrado, em florestas estacionais subcaducifólias e caducifólias e em florestas ribeirinhas, mas com baixa frequência. Ocorre também em algumas ilhas do Caribe, como o Haiti e a República Dominicana, e na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Paraguai.

A. cuspa perde as folhas na estação seca; floresce com folhas novas, em novembro e dezembro; e dispersa as sementes no fim da estação seca. As flores atraem himenópteros de pequeno porte, mas os seus polinizadores ainda não são conhecidos. As sementes são dispersas pelo vento.

A madeira de A. cuspa  possui propriedades que a tornam adequada para utilização na construção civil, mas devido às reduzidas dimensões dos troncos da maioria dos indivíduos, é mais usada para confeccionar móveis, molduras, esculturas, cabos de ferramentas e utensílios domésticos. A infusão da casca do tronco é empregada na fitoterapia popular, contra dores, infecções, inflamações, malária, hanseníase, enfisema, bronquite, pneumonia e impotência sexual, com os estudos farmacológicos até agora realizados corroborando a sua eficácia contra apenas uma parte dessas males e atribuindo-a a alcaloides indólicos. A espécie merece ser incluída em projetos de arborização urbana, pela sua raridade e pela necessidade de auxiliar na conservação da sua diversidade genética da flora nativa.

A. cuspa é propagada por meio de sementes, que podem ser recolhidas no chão ou retiradas de frutos coletados nas árvores no início da deiscência. Após a colheita, deve-se aparar a asa das sementes e em seguida colocá-las para germinar  em sementeiras contendo terra argilo-arenosa misturada com esterco curtido no proporção de 2:1, ambiente com 40% a 50% de sombreamento. As plântulas devem ser transferidas para recipientes maiores quando estiverem com 3-5 cm de altura.

A. cuspa tem dispersão relativamente ampla no Cerrado, mas ocorre em áreas preferenciais para atividades agropastoris; está subsistindo em fragmentos floretais sujeitos a derrubadas de árvores, invasões de gado e incêndios; e não possui registros de ocorrência em unidades de conservação de proteção integral nesse bioma. Atualmente, tem a seu favor apenas o fato de ocorrer também em áreas de preservação permanente (florestas ribeirinhas).

Distinção da espécie

A. cuspa se distingue das suas congenéricas tratadas neste trabalho pelas inflorescência paniculadas, opostas às folhas; e pelos frutos, de formato algo falciforme, achatado e com nervuras proeminentes.

 

Folhas e inflorescências. Cabeceiras de Goiás (GO), 26-11-2009

Frutos maduros, expondo as sementes. Guarani de Goiás (GO), 19-09-2019

LITERATURA
ALVES, D.F.  et al. 2014. Estudo fitoquímico e potencial terapêutico de Aspidosperma spp. Anais do 54o Congresso Brasileiro de Química. Disponível em: http://www.abq.org.br/cbq/2014/trabalhos/7/5378-17936.html, acessado em: 23 maio 2018.
Aspidosperma in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB4524>. Acesso em: 22 Mai. 2018.
BEIRIGO, P.J.S. Alcalóides indólicos das cascas do caule de Aspidosperma cuspa (Apocynaceae). Resumos da 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Disponível em: http://sec.sbq.org.br/cdrom/35ra/resumos/T1234-1.pdf, acessado em: 23 maio 2018.
CASTELLO, A.C.D. et al. Proposal to conserve the name Conoria cuspa (Aspidosperma cuspa) against Aspidosperma bicolor (Apocynaceae). Taxon, v. 66, n.3, p.753–754.
GOMES, S.M. 1997. Aspidosperma Mart & Zucc. (Apocynaceae) no Distrito Federal e caracteres para o aprimoramento da taxonomia do gênero. Dissertação (mestrado), Universidade de Brasília.
IBGE. 2002. Árvores do Brasil Central: espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, p.74-75.
MARCONDES-FERREIRA, W. 2005. Aspidosperma Mart. In: WANDERLEY, M.G.L. et al. (eds.) Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo, v.4, p.39-47.
LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum, v.2, 2a ed., p.20.
MACHATE, D.J. et al. 2016. Aspidosperma (Apocynaceae) no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Rodriguésia, v.67, n.4, p.1011-1024.
MARCONDES-FERREIRA, W. 1988. Aspidosperma Mat., nom. cons. (Apocynaceae) – estudos taxonômicos. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, 431 p.
OLIVEIRA, V.B. et al. 2009. Atividade biológica e alcalóides indólicos do gênero Aspidosperma (Apocynaceae): uma revisão. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.11, n.1, p.92-99.
PEREIRA, A.S.S. et al. 2016. Taxonomy of Aspidosperma Mart. (Apocynaceae, Rauvolfioideae) in the State of Pará, Northern Brazil. Biota Neotropica, v.16, n.2 [online]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bn/v16n2/1676-0611-bn-1676-0611-2015-0080.pdf.
PEREZ, N.M. et al. 2012. Acute toxicity, antinociceptive activity and indole alkaloids of aqueous extract from bark of Aspidosperma cuspa (Kunth) Blake. Journal of Ethnofarmacology, v.143, n.2, p.599-603.
SIMÕES, J.C. et al. 1976. The alkaloids of Aspidosperma cuspa: 16-epi-isositsirikine, a new indole base. Phytochemistry, v.15, n.4, p.543-544.
ZARUQUI, J.L. 1995. Apocynaceae. In: BERRY, P.E. et al. (eds.) Flora of the Venezuelan Guayana. Saint Louis: Missouri Botanical Garden, v.2, p.417-571.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com