Aspidosperma pyrifolium Mart.

Peroba-rosa, pereiro, guatambu-rosa

Árvore inerme, latescente (látex branco), caducifólia, heliófila, monoica, até 25 m de altura e 90 cm de DAP. Tronco retilíneo, levemente cônico. Casca muito espessa; ritidoma sulcado, cinzento na superfície e rosado na camada interna; casca interna rosada, passando a amarelada junto ao floema. Madeira moderadamente pesada; cerne rosado a róseo-amarelado, de texto fina. Râmulos roliços, lenticelados; gemas protegidas por catafilos escamiformes enquanto dormentes. Folhas simples, alternas, obovadas a elípticas, cartáceas, pilosas ou glabrescentes na face inferior, de 5-14 x 4-7 cm; pecíolo de 1-3 cm de comprimento. Inflorescências cimosas, agrupadas ou solitárias, vistosas, glabrescentes, de 4-5 cm de comprimento. Flores pentâmeras, actinomorfas, pediceladas, pilosas, perfumadas, de 1,5-2 cm de comprimento; corola branco-amarelada, gamopétala, contorta, com lobos reflexos na antese. Frutos isolados ou aos pares, achatados, secos, lenhosos, deiscentes, polispermos, obovados, lenticelados, de 5-6 x 3,5-4.5 cm. Sementes planas, semicirculares, com tegumento membranáceo, protegidas e contornadas por uma membrana bege, quebradiça, de 3-4 cm de diâmetro, que funciona como asa.

A. pyrifolium distribui-se, de forma descontínua, do leste da Bolívia e do Paraguai até a área de domínio do bioma Caatinga na região Nordeste do Brasil e norte de Minas Gerais, após passar pelas unidades federativas da região Centro-Oeste e pelo estado do Tocantins. É considerada um elemento típico de florestas caducifólias associadas a solos férteis, geralmente com presença de rochas calcárias.

Essa apocinácea perde as folhas na estação seca; floresce anualmente ou bi-anualmente de outubro a novembro, com as folhas já bem desenvolvidas; e apresenta frutos maduros entre julho e setembro. As flores atraem alguns insetos de hábito diurno, mas, pelo menos na Caatinga (Queiroz, 2009), os seus polinizadores são mariposas de hábito noturno pertencentes à família Sphingidae. As sementes são dispersas pelo vento.

A madeira de A. pyrifolium é resistente e fácil de trabalhar e na época em que era abundante, foi muito usada em construção de estruturas de telhados, forros, assoalhos, rodapés, escadas internas e carrocerias, bem como em confecção de esquadrias, portas, janelas, móveis, molduras, esculturas, oratórios e altares. As folhas e a casca do tronco são empregadas na fitoterapia popular, contra afecções respiratórias, febre e distúrbios estomacais, enquanto existem estudos que apontam uma série de substâncias químicas nessas estruturas, sendo uma parte com diversas outras propriedades medicinais, inclusive antitumorais, e outra parte com capacidade para produzir intoxicações e até mesmo aborto no ser humano e em animais. A espécie reúne características que a tornam bem cotada para inclusão em projetos de arborização urbana, de recomposição de áreas desmatadas e de implantação de sistemas agroflorestais.

A forma de propagação de A. pyrifolium é por meio de sementes, que podem ser recolhidas no chão após a sua queda ou retiradas de frutos coletados nas árvores, no início da deiscência. Após a colheita, deve-se aparar a asa das sementes e em seguida colocá-las para germinar  em sementeiras contendo terra argilo-arenosa misturada com esterco curtido no proporção de 2:1, sob condições intermediarias de sombreamento (40% a 60%). As plântulas devem ser transferidas para recipientes maiores quando estiverem com 3-5 cm de altura.

A. pyrifolium é pouco dispersa no Cerrado; ocorre em áreas preferenciais para atividades agropastoris; foi objeto de corte por um longo período, para utilização da madeira; está subsistindo em fragmentos florestais sujeitos a derrubadas de árvores, invasões de gado e incêndios; e não possui registros de ocorrência em unidades de conservação de proteção integral nesse bioma.

Distinção da espécies

A. pyrifolium pode ser distinguida das suas congenéricas abordadas neste trabalho por apresentar ritidoma rosado na parte interna; flores com lobos reflexos e mais longos que a parte tubulosa; e gemas apicais protegidas por catafilos escamiformes enquanto dormentes. A. polyneuron também possui ritidoma rosado internamente, mas difere de A. pyrifolium em diversos caracteres morfológicos.

Árvore com folhagem senescente, em floresta caducifólia convertida em pastagem. Aurora do Tocantins (TO), 07-06-1991.

Aspecto da superfície e cor da camada interna do ritidoma. Brazlândia (DF), 11-10-2013

Inflorescências e folhas.Posse (GO), 04-10-2009

Fruto imaturo. Posse (GO), 24-03-2010

Semente. Brazlândia (DF), 30-09-2006

 

LITERATURA
ALVES, D.F.  et al. 2014. Estudo fitoquímico e potencial terapêutico de Aspidosperma spp. Anais do 54o Congresso Brasileiro de Química. Disponível em: http://www.abq.org.br/cbq/2014/trabalhos/7/5378-17936.html, acessado em: 23 maio 2018.
BRAGA, R. 1976. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 3a ed. Fortaleza: ESAM, 510 p.
FERREIRA, R.A. & CUNHA, M.C.L. 2000. Aspectos morfológicos de sementes, plântulas e desenvolvimento da muda de craibeira (Tabebuia caraiba (Mart.) Bur.) – Bignoniaceae e pereiro (Aspidosperma pyrifolium Mart.) – Apocynaceae. Revista Brasileira de Sementes, v. 22, n. 1, p.134-143.
GOMES, S.M. 1997. Aspidosperma Mart & Zucc. (Apocynaceae) no Distrito Federal e caracteres para o aprimoramento da taxonomia do gênero. Dissertação (mestrado), Universidade de Brasília.
GOMES, S.M. & CAVALCANTI, T.B. 2001. Morfologia floral de Aspidosperma Mart. & Zucc. (Apocynaceae). Acta Botanica Brasilica, v.15, p.73-88.
IBGE. 2002. Árvores do Brasil Central: espécies da Região Geoeconômica de Brasília. Rio de Janeiro: IBGE, p.83-85.
LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum, v.2, 2a ed., p.21.
MACHATE, D.J. et al. 2016. Aspidosperma (Apocynaceae) no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Rodriguésia, v.67, n.4, p.1011-1024.
MAIA G.N. 2012. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. Fortaleza: Printcolor Gráfica e Editora, 2a ed., p.321-327.
MARCONDES-FERREIRA, W. 1988. Aspidosperma Mat., nom. cons. (Apocynaceae) – estudos taxonômicos. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, 431 p
MESSIADES, D.M.S. 2014. Estudo das propriedades biológicas, fitoquímicas e farmacológicas de Aspidosperma pyrifolium Mart. Dissertação (mestrado), Universidade Federal da Paraíba, 127 p.
NÓBREGA, G.L.L. 2008. Perfil fitoquímico e farmacológico da Aspidosperma pyrifolium Mart. ensaios pré-clínicos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, 72 f.
PEREIRA, A.S.S.et al. 2016. Taxonomy of Aspidosperma Mart. (Apocynaceae, Rauvolfioideae) in the State of Pará, Northern Brazil. Biota Neotropica, v.16, n.2 [online]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bn/v16n2/1676-0611-bn-1676-0611-2015-0080.pdf, acessado em: 28 maio 2018.
QUEIROZ, J.A. 2009. Esfingofilia e polinização por engano em Aspidosperma pyrifolium Mart., uma Apocynaceae arbórea endêmica de caatinga. Dissertação ( mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, 53 f.
SILVA, D.D. et al. s.d. Morfometria de frutos e sementes de (Aspidosperma pyrifolium Mart.). Anais do I Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido [online]. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conidis/trabalhos/TRABALHO_EV064_MD1_SA3_ID1915_10102016144931.pdf, acessado em: 20 maio 2018.
SOUSA, M.A.N. 2014. Intoxicações naturais e experimentais em Aspidosperma pyrifolium Mart. (pereiro). Revista Ciência & Saúde [online], v.3, n.3, p.229-239.

 

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com